26 de agosto de 2011

Simplesmente lamentável!!!


Foto 1 - O que ainda resta da sapata primitiva, do século XII
Foto 2 - Aspecto da parte nascente do talude ainda por escavar
Foto 3 - A parte já escavada. À direita, em cima, o detalhe da foto 1
Foto 4 - Sapata do Paços do Infante, semelhante à que foi irremediavelmente destruida
Foto 5 - Quantidade de pedra já retirada da sapata agora destruída
No post "Poupar no farelo para estragar na farinha" focou-se aquilo que bem se pode chamar o desastre arqueológico do Convento de Cristo, mais precisamente do complexo monumental Castelo dos Templários/Convento de Cristo. Pessoal de uma empresa ao serviço da autarquia tomarense destruiu já parte substancial de uma sapata ou alambor do castelo, do século XII, enterrada aquando das obras da enfermaria conventual, no século XVII. Tal foi possível porque, segundo tudo indica, o projecto foi elaborado sem que previamente tenham sido feitas observações cuidadas ou sondagens no local, o que teria permitido projectar a bifurcação um pouco mais para norte, uma vez que o terreno está livre, preservando assim o que restava do velho castelo templário, que entretanto poderia ser escavado, valorizado e mostrado aos visitantes. Assim, perdeu-se uma rara oportunidade de poder verificar in loco a implantação casteleja naquele local, fortemente danificada por ocasião das obras supra referidas.
Agora que o mal está feito, conquanto ainda se possa salvaguardar uma parte, têm-se sucedido no local as algaradas entre responsáveis da obra e responsáveis do Convento. Os da obra garantem que lhe foi dada autorização para escavar o talude. Os do Convento negam que tal autorização tenha sido dada e perguntam onde está o documento comprovativo. Tudo isto na presença dos turistas que vão passando... Very typical indeed!!!
Em qualquer cidade a sério de um país a sério, ou o empreiteiro teria imediatamente interrompido os trabalhos logo que apareceu a sapata não assinalada, ficando a aguardar instruções; ou a câmara teria ordenado a suspensão dos trabalhos, logo que informada do desastre; ou o IGESPAR já teria embargado a obra, mediante uma providência cautelar, invocando prejuízos patrimoniais irreparáveis. Dado que estamos numa cidade de faz de conta de um país como se sabe, faz de conta que não aconteceu nada. Siga a música, siga a dança. E o governo que não se esqueça de continuar a guarnecer as gamelas municipais, porque afinal isso é que é fundamental. Simplesmente lamentável!!! Mas que havemos de fazer?!? -É a vida! dizia o outro.
Há, porém, duas perguntas incómodas mas inevitáveis: Depois disto, que autoridade moral terá a autarquia para exigir aos particulares respeito pelo património, quando os próprios empreiteiros de obras municipais o não respeitam? Além de se considerarem acima de qualquer suspeita, estarão os eleitos da relativa maioria igualmente convencidos de que a Lei se lhes não aplica? Só nos faltava mais essa...
 
 


Sem comentários: