29 de junho de 2012

Está tudo interligado (continuação)

Como pode a República defender a vida quando nasceu da morte? Como pode a República compreender a importância da família e defende-la quando se iniciou destruindo uma? Como pode a República conhecer a ordem e o respeito quando surgiu do caos e da traição?

Como pode a República saber a importância de um Chefe de Estado para a estabilidade nacional quando, pondo de lado os interesses nacionais e pensando apenas nos seus próprios, principiou desrespeitando um?

A República não pode defender (e principalmente praticar) bons valores porque parece não os conhecer.

Perante tudo isto como se pode considerar a República um bom exemplo? Como pode a República ser vista como algo bom para Portugal?

Das suas mãos ainda escorre a irresponsabilidade e continuará a escorrer por mais que as lavem (ainda que seja pródiga em lavar as mãos).

Tudo na sociedade portuguesa está interligado e muitos dos males que hoje existem em Portugal são fruto de 100 anos onde escassearam os bons exemplos.

Sem comentários: