6 de setembro de 2012

Passa-se isto no século XXI, não é, pois, coisa do passado " bafiento "

 
« DEO JUVANTE » (“Com a Ajuda de Deus” ) é o lema do principado; por lá não há partidos políticos: apenas o Chefe de Estado - actualmente o Príncipe Alberto II -, que não se limita a reinar, e, dada a pequenez do mesmo, 18 membros do Conselho Nacional, que com o Príncipe governam a Nação, sendo eleitos directamente.O poder legislativo é dividido entre o Príncipe e os conselheiros. O poder executivo é exercido pelo Príncipe, perante quem respondem o Ministro de Estado e o Conselho de Governo.
O Poder Judicial também pertence ao Príncipe.
Há depois as estruturas municipais.

E, milagre não é!, tudo funciona às mil maravilhas. Porque será? A exiguidade do território também não é " a " resposta, pois que se ele fosse maior bastaria aumentar o número de Conselheiros Nacionais.
E, através de um amigo do Facebook, fico a saber que " Em Março de 2003, no principado do Liechtenstein houve um polémico referendo levado a cabo pelo Príncipe Hans Adams II que exigia o reforço dos poderes do soberano. Levantaram-se os ânimos da oposição, exigindo a renúncia do Príncipe que ameaçou exilar-se nas suas residências austríacas, caso não visse os seus poderes acrescidos.
A acção movida pelo soberano foi muito criticada internacionalmente, inclusive, pela Comissão de Veneza. A democracia do estado foi posta em causa e a monarquia apelidada de autoritária.
O Príncipe venceu o referendo e viu os seus poderes alargados (o povo é soberano e sabe o que é liberdade, não precisa que lha imponham).
A oposição foi completamente desacreditada e humilhada com os resultados deste referendo. "

Monarquias modernas tradicionais.
Cristina Ribeiro
 

Sem comentários: