4 de outubro de 2012

Causa Real lança manifesto pela monarquia como alternativa


 
A Causa Real lançou hoje o manifesto “A Unir Portugal desde 1143” para que os “portugueses olhem para a monarquia como uma alternativa” para o país”, considerando que “a instituição real pode ser uma resposta a grande parte dos problemas”.
 
Em declarações à agência Lusa, o presidente da Causa Real, Luís Lavradio, explicou que “uma monarquia tem na sua cúpula uma instituição real que é independente e isenta e que encara e incorpora um projecto nacional que vai para além das próximas eleições”, considerando que esta “pode ser uma resposta a grande parte dos problemas” de Portugal.
 
“Aquilo a que apelamos aos portugueses é que olhem para a monarquia da mesma forma que ela existe nos outros países europeus hoje em dia, que olhem para a monarquia como uma verdadeira alternativa para Portugal para o futuro”, disse.
 
Na opinião de Luís Lavradio há actualmente “uma perda de esperança e uma perda de norte” em Portugal, considerando que tal “pode ser colmatado e muito bem com uma monarquia”.
 
Para o presidente da Causa Real, o manifesto “é uma chamada de atenção para os portugueses de facto considerarem a monarquia uma hipótese válida e viável”, defendendo que “esta alternativa é a melhor para Portugal”.
 
O manifesto foi já assinado ex-presidente do BCP Paulo Teixeira Pinto, pelo vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos António Nogueira Leite, pelo ex-ministro Augusto Ferreira do Amaral e pelo administrador da Fundação Calouste Gulbenkian Diogo Lucena.
 
O manifesto, que recolheu perto de cem assinaturas de “pessoas que estão muito próximas do próprio esboço do texto”, será posto na sexta-feira na página do Facebook da Causa Real “para recolher quantas mais assinaturas possível”.
 
Recordando que “todos os momentos importantes da história de Portugal foram encabeçados por um rei e foram encarados como um projecto nacional que uniu a instituição real ao povo português”, Luís Lavradio sublinhou ainda países como Suécia, Dinamarca, Bélgica, Espanha, Reino Unido, Japão ou Canadá são “exemplos extraordinários de projectos nacionais de continuidade nacional e de posicionamento internacional que só acontecem porque existe essa instituição real, independente, que agrega a unidade nacional”.
 
“Eu acho que as pessoas olham para a Causa Real e para os monárquicos de uma forma errada, muito talvez propagada pelos próprios monárquicos do passado. Não tem nada a ver com voltar ao passado, não tem nada a ver com a rotativista do século XIX, muito menos com a monarquia das cortes do século XVIII mas tem muito a ver com uma alternativa política para Portugal para o futuro”, considerou.
 
Fonte: SOL

Sem comentários: