13 de outubro de 2012

Perder tempo com os senhores presidentes

Em Bangkok, acaba de ser revelado um estudo sobre a hierarquização dos afectos. Monitorizado por sociólogos e psicólogos sem qualquer relação com organismos do Estado, cobrindo um universo de 100 000 pessoas escolhidas de acordo com a estrutura social, etária e geográfica do país, aos inquiridos foi pedido que depositassem numa urna, sem qualquer indução, dois nomes de pessoas ou instituições que mais respeitam e amam. Natural seria que à cabeça estivesse o pai, a mãe, o marido, a mulher e os filhos de cada um, ou, talvez, a religião budista, a nação ou até a escola ou empresa. Mas não, para 92% dos thais, o objecto da sua admiração e amor é o Rei. Em segundo lugar, com 75%, muito próxima do budismo (70%), a monarquia tailandesa e só depois os familiares. Eis, pois, o melhor argumento para quantos, pela razão e pelo sentimento, consideram a monarquia o mais forte agente de paz social.

O Rei Bumiphol exerce funções de monarca desde 1946, o seu reinado cobre quatro gerações, pelo que o valor da monarquia não se limita a uma afirmação testemunhal; é transversal a toda a população. O Rei é o homem, mas a monarquia, expressão da permanência, subsiste como o conceito mais forte, sobrepondo-se na lealdade à religião.
No transcurso do longo reinado de Rama IX, Portugal teve Carmona, Craveiro Lopes, Tomás, Spínola, Costa Gomes, Eanes, Soares, Sampaio e Cavaco, deles não havendo sulco assinalável nas vidas e preocupações dos portugueses. Pura perda de tempo !

Miguel Castelo-Branco

Fonte: Combustões

Sem comentários: