22 de maio de 2013

Um adeus à Rainha.


" Agora, já neste Outubro de 51, em que a morte adejou sobre o leito dourado de Versalhes, Corrêa de Oliveira enviou à Rainha este formosíssimo soneto, cheio daquela inimitável unção, daquele bíblico jeito de murmúrio que ele põe, cada vez mais, nos versos em que escreve e em que reza:


                        " Pelo Sinal "

                  ( à Santa Padroeira dos meus versos, Rainha- Nossa )

Se poeta eu fui, Senhora, 
Deus o destinou? Pois sim!
Mas sem Vós, - pobre de mim! -
Mal o fora... e já não fora. 

A escuridão, logo à aurora.
E, poeta,é ser assim
Qual um palmo de jardim.
Abrindo ao sol, dia em fora.

E rezo, ao vê-los na estante
Ou na saudade, alma adiante,
Tanto Portugal do Além:
 
 
- « Oh versos meus, minha vida!
Pelo Sinal da Rainha
E em nome de Deus...Amen! »

Leitão de Barros, « Amélia Raínha de Portugal, Princesa de França »
 
 
Cristina Ribeiro
 
 

Sem comentários: