17 de outubro de 2013

COMUNICADO DA DIRECÇÃO NACIONAL DA JMP


Surpreendida pela proposta ontem apresentada relativa às subvenções vitalícias do titulares de cargos políticos, a Direcção Nacional da JMP toma seguinte posição:

1.É inadmissível que os ex-presidentes da república, Jorge Sampaio, Mário Soares e Ramalho Eanes, sejam poupados do esforço colectivo para salvar o país, sendo o argumento da “dignidade de Estado” inaplicável, uma vez que os referidos cidadãos têm outros meios de subsistência, para além de que o país tem assistido reiteradamente a posturas pouco dignas para um ex-Chefe de Estado, por parte de um dos visados.

2.A ex-Chefes de Estado exige-se um comportamento permanente de serviço à Pátria. Nesse sentido, não deveria ser tão pouco necessário pensar em suspensão forçada das pensões, mas sim em voluntária.

3.Recordamos a postura do nosso Rei D. Carlos I, que sentindo as necessidades da Pátria abdicou de 20 % da dotação à Casa Real.

4.Questionamos se de facto faz sentido manter estas pensões, que representam mais de 200 mil euros/ano, para além dos carros, motoristas, gabinete com secretária e seguranças.
Em Portugal não sustentamos um Rei, sustentamos 4!

5.Os esforços pare enfrentar a crise que o país atravessa devem ser repartidos por todos, nunca onerando em demasia os que menos podem, nem isentando os que mais podem e que mais responsabilidade têm.


A Direcção Nacional da JMP
Lisboa, 16 de Outubro de 2013

Sem comentários: