29 de junho de 2014

O Rei é o Alento do Povo!

10460131_403049389833507_3258021869383877709_n

«O Rei fala, e um seu gesto tudo prende,
O som da sua voz tudo transmuda.
E a Sua viva Majestade esplende.»
- Fernando Pessoa, 31/07/1935
Um Rei dá ânimo e estimula a auto-estima da Comunidade, pois um Rei é um grande motivo de orgulho para o Seu Povo, que sabe ter na Figura Real a encarnação da história da Nação e da gesta de um Povo.
Existe de facto um misticismo de alta condição em torno da Figura Real!
«REI SEM POVO NÃO É REI, POVO SEM REI NÃO É POVO», afirmou certeiro Dom Luís Álvares de Castro, 2.º Marquês de Cascais, tendo como interlocutor El-Rei Dom João V.
É essa alegria quase mística que transparece por exemplo no soneto daquela que foi apelidada de “Décima Musa Portuguesa”, Soror Violante do Céu, e que o compôs após a Restauração da Independência, época de exacerbado contentamento nacional pela liberdade reconquistada após 60 anos de jugo estrangeiro.
A El-Rei D. João IV
«Que logras Portugal? Um rei perfeito.
Quem o constituio? Sacra piedade.
Que alcançaste com ele? A liberdade.
Que liberdade tens? Ser-lhe sujeito.
Que tens na sujeição? Honra e proveito.
Que é o novo rei? Quase deidade.
Que ostenta nas acções? Felicidade.
E que tem de ser feliz? Ser por Deus feito.
Que eras antes dele? Um labirinto.
Que te julgas agora? Um firmamento.
Temes alguém? Não temo a mesma Parca.
Sentes alguma pena? Uma só sinto.
Qual é? Não ser um mundo, ou não ser cento
Para ser mais capaz de tal Monarca.”
O Rei honra o Seu Povo e o Povo estima o Rei, com uma devoção e bem-querer que nunca dedicará a qualquer presidente.
“E toda a Nação o chorou numa infinita piedade.
Com el-rei D. Luís, findou um período interessante da nossa história. Durante ele, Portugal, emergindo da anarquia doutrinária que o desmantelava desde 1820, consuma o seu desquite com o passado, quebra o seu pacto com os ideólogos – e entra resolutamente, para ventura sua ou para maiores e inéditos males, no caminho do utilitarismo, do fomento e do progresso material. Para presidir a esta revolução, que cobriu a terra de instrumentos de riqueza e radicou na gente a importância dos interesses, el-rei D. Luís era, pelas favoráveis feições do seu espírito liberal, transigente, modernizado, acessível às inovações, o chefe mais congénere e perfeito. Daí proveio, entre o rei, beneficamente inclinado às reformas, e o reino, que ardentemente se reformava, uma harmonia sólida e séria que, em vinte e oito anos, não sofreu uma interposição nem foi toldada pela sombra.”, Escreveu Eça de Queiroz, sobre El-Rei Dom Luís I de Portugal.
É essa Paz que queremos, é essa comunhão entre Chefe de Estado e Povo por que todos anseiam: o Lusitano querer encarnado num Rei.
Ó Rei, com a Tua vinda venha de novo Portugal!
Ó Ponte entre o Passado e o Presente, dá-nos um Futuro!
Ó Rei volta por nós!
Regressa pela Tua grei!
Miguel Villas-Boas

VIVA O SÃO PEDRO!



28 de junho de 2014

A monarquia é útil e relevante no Século XXI

A Causa Real defende a restauração da Instituição Real para Portugal porque acreditamos nos seus benefícios para o nosso País e para as suas gentes. Se fossemos suíços ou americanos a nossa posição seria provavelmente outra. No entanto, as monarquias modernas partilham um conjunto de vantagens facilmente demonstráveis e dificilmente replicáveis por sistemas com uma chefia de estado electiva.

Num recente artigo no "The Diplomat" aqui, um especialista em geopolítica e segurança do Médio Oriente e da Ásia Central e do Sul sublinha algumas dessas questões, embora de uma forma superficial. Não serão certamente novidade para a larga maioria dos nossos leitores, mas é um ponto de vista extra-europeu raro sobre a instituição monárquica e de grande interesse para quem, como nós, desconhece os detalhes da realidade política, económica e social das monarquias fora da esfera ocidental.

Começa por constatar que ao contrário daqueles que argumentam o anacronismo e inutilidade da instituição monárquica e a sua inevitável substituição pela república (que, note-se, não é nenhuma invenção da modernidade...), as monarquias exercem um papel de grande valor na actualidade. De tal forma, argumenta, que o seu número deve ser aumentado e não diminuído (sendo o caso do Afeganistão uma clara oportunidade perdida), posição sustentada por uma análise objectiva dos seus méritos. Destes, enumera seis, havendo outros ainda que não aponta:

  1. Um monarca está acima da luta política, o que lhe confere uma independência e uma representatividade que um chefe de estado eleito não consegue nem pode ter;
  2. Em situações factícias, como é o caso da Tailândia onde os golpes de estado se têm multiplicado, a monarquia é possivelmente a única instituição que mantém o país afastado da guerra civil. Há exemplos menos extremos mas igualmente relevantes na Europa - caso da Bélgica ou de Espanha - onde a Coroa é o grande factor unificador do país;
  3. Uma chefia de estado hereditária actua como bloqueio à ânsia desenfreada do poder político e é um factor de estabilidade política. A simples existência do Rei, mesmo que sem poder político, é por si só um forte impedimento ao desenvolvimento de extremismos. Dá-se o exemplo do Cambodja (que voltou a ser uma monarquia em 1993) e, mais próximo de casa, de Marrocos e da Jordânia que, ao contrário das suas congéneres do norte de África, têm conseguido uma transição pacífica, faseada e comunal na democratização dos seus respectivos países. Aliás, podemos olhar também para transição do nosso vizinho. Winston Churchill, para quem tanto os abusos de Stalin na União Soviética como de Hitler na Alemanha aparecem como consequência do vazio monárquico, realçou este facto;
    Os Reis da Jordânia
  4. A representatividade intemporal do monarca, e as suas limitações e obrigações constitucionais, dão-lha a autoridade moral e o prestígio para tomar atitudes em prol da nação, por vezes contra o interesse de determinadas correntes políticas;
  5. A instituição real é um factor de continuidade, e o Rei a personificação das tradições, da cultura, da história (e acrescentaria também das aspirações) de toda uma nação;
  6. O Rei é chefe de estado por um mero acidente de nascimento, ninguém o escolhe e ninguém sabe quem será. Nesse aspecto, qualquer um pode ser Rei. Akhillesh Pillalamarri recorda assim as palavras do historiador canadiano Jacques Monet: "deixando a selecção do chefe de estado a este, o denominador mais comum de todos - a casualidade do nascimento - os canadianos proclamam implicitamente a sua fé na igualdade humana". Naturalmente, quem quer que seja é sempre preparado, desde nascença, para o lugar que lhe está reservado por lei.

Acaba notando que as críticas que são levantadas contra o sistema monárquico deixaram de ter qualquer validade, se é que alguma vez o tiveram, explicando que a maior parte das monarquias funcionam dentro das limitações e com o seu poder constrangido por uma constituição ou pelas tradições e costumes de um determinado país. Mesmo as monarquias absolutas em teoria, nunca o foram na práctica.

O mais interessante deste artigo não é a apologia da monarquia que faz, pois a autor fá-la de forma demasiado leviana, mas a forma como o sistema monárquico é abordado. Não como uma teoria política abstracta que procura realizar uma utopia terrestre (no fundo, aquilo que vendiam os republicanos há um século atrás), mas constatando que é um instrumento político que serve, de facto e com eficácia, o bem público e as aspirações e liberdades do homem numa multiplicidade de países e regiões. 

Face ao fracasso da nossa experiência republicana, mantemos que está na altura de repensarmos o regime e que a hipótese de uma restauração monárquica tem de estar patente como uma real alternativa viável para Portugal. 

Luis Lavradio

Fonte: Causa Real

27 de junho de 2014

Duques De Bragança vão ser recebidos nos Paços do Concelho de Caminha

Portugal Real 100% Alto Minho encerra domingo em Caminha

Portugal Real 100% Alto Minho encerra domingo em Caminha

No âmbito da 2ª edição do Portugal Real 100% Alto Minho, Caminha vai receber a visita da Família Real Portuguesa, no próximo domingo, dia 29 de Junho. Da agenda faz parte uma recepção solene, uma visita à Torre do Relógio e um percurso pelo Centro Histórico de Caminha.

O Portugal Real 100% Alto Minho é uma iniciativa da Confederação Empresarial do Alto Minho (CEVAL) e vai decorrer de 27 a 29 de Junho no distrito de Viana do Castelo.

Para assinalar a visita institucional do Duque De Bragança, o Município organizou várias actividades: às 10h00 terá lugar a recepção solene no Salão Nobre dos Paços do Concelho; às 10h30, está agendada uma visita guiada à Torre do Relógio; às 11h00 realizar-se-á um percurso pelo Centro Histórico de Caminha e às 13h00 terá lugar o almoço.

A acompanhar o Duque De Bragança estarão a Senhora Dona Isabel de Herédia, e previsivelmente os três filhos do casal, Dom Afonso de Santa Maria, Príncipe da Beira, Dona Maria Francisca e Dom Dinis.

Dom Duarte Pio João Miguel Gabriel Rafael de Bragança é filho dos Duques de Bragança, Dom Duarte Nuno, Neto de D. Miguel I, Rei de Portugal e Dona Maria Francisca de Orleans e Bragança, Princesa do Brasil, trineta do Imperador D. Pedro I do Brasil, também conhecido como D. Pedro IV de Portugal.

É Presidente Honorário e membro de diversas instituições, tais como: membro do Conselho Supremo dos Antigos Alunos do Colégio Militar e Presidente Honorário do Prémio Infante D. Henrique.

O Duque De Bragança está ligado por laços familiares a várias Casas Reais da Europa, nomeadamente: Luxemburgo, Áustria-Hungria, Bélgica, Liechenstein, Itália, Espanha, Roménia, Sérvia, Bulgária Thurn e Taxis, Bourbom Parma, Loewenstein etc.

Casou a 13 de Maio de 1995, com a Senhora Dona Isabel de Herédia, e é pai de: Dom Afonso de Santa Maria, Príncipe da Beira, Dona Maria Francisca e Dom Dinis.

26 de junho de 2014

Ser Rei no século XXI

1964847_400179776787135_7002810164298615059_n

O Estado das Coisas republicano não pode ser um oratório indiscutível, não podem atribuir à república um valor dogmático como se nenhum outro regime fosse possível ou viável.
Numa altura em que se assiste nas várias Monarquias europeias à renovação do sistema de governo de Monarquia Constitucional Parlamentar pela abdicação dos Reis em funções na pessoa dos seus príncipes herdeiros, é pertinente examinar o papel da figura Real nos hodiernos tempos. Assiste-se à subida ao trono de novos reis desde tenra idade preparados para reinar com os desafios dos tempos em que vivemos.
Pretendemos desconstruir toda a poluição da imprensa republicana publicada e teledifundida e examinar o papel de um Rei para ilustrar que, efectivamente, possuir um Monarca como Chefe de Estado é o garante maior para uma sociedade realmente evoluída, porque verdadeiramente democrática, justa e harmónica.
A sucessão hereditária não é um óbice à Democracia mas, ao invés, ainda a potencia uma vez que a sucessão hereditária garante uma legitimidade que é a independência face ao poder político que nenhum outro Chefe de Estado possui. O Monarca não navega nas mesmas águas dos políticos.
A Monarquia Constitucional é um regímen político que concilia a forma de governo monárquico – em que a mais alta magistratura do Estado se transmite por via hereditária entre os descendentes da Dinastia reinante – com a subsistência de uma Constituição. O Monarca será um de diferentes órgãos do Estado e que exercerá os poderes que lhe estarão consagrados na Lei Fundamental do País.
Será uma Monarquia Constitucional sobre a forma de governo de uma Monarquia Parlamentar, que assenta na legitimidade democrática, pois os órgãos que efectivamente exercem o poder político conquistam a sua legalidade e legitimidade das eleições por sufrágio directo e universal. Assim sendo, originariamente, o poder reside no Povo, contudo exerce-se sob a forma de governo monárquico. O Parlamento será democraticamente eleito, e o primeiro-ministro deterá o poder executivo, pois o monarca adjudica o poder e permanece apenas com a posição de titular.
Com o Poder Moderador que competirá privativamente ao Rei, o Monarca será a chave de toda a estrutura política, como Chefe de Estado e Chefe Supremo da Nação, e incansavelmente guardará a manutenção da independência e estabilidade dos mais Poderes Políticos. O Rei será o “defensor do equilíbrio da Nação” – como foi estatuído nas Cortes de 1211.
É enorme a mais-valia do Poder Moderador, inclusive, na resolução das crises institucionais; se não, atente-se neste trecho de Ramalho Ortigão sobre a realidade portuguesa em Monarquia Constitucional:“o monarca lavrou então o decreto mandando o seu antigo ministério bochechar e encarregou o senhor marquês de Ávila e Bolama de reunir com os seus amigos o número de dentes necessários para formar uma gerência duradoura e firme.” De facto não poucas vezes o Rei surge como a única entidade capaz para resolver os impasses originados por políticos e suas políticas.
Mas mais do que um papel político, porque o Rei reina e não governa, o Monarca tem um papel histórico: o de personificar o carácter nacional.
Reinar não é um ganha-pão, é um Ofício!
A função Real é, de facto, um Ofício que deve desempenhar com sentido de missão, pois constantemente sobre o escrutínio público o Rei procura desempenhar o melhor possível o seu serviço dirigido no sentido do aperfeiçoamento constante.
Só o Rei terá uma superior consciência dos problemas nacionais, pois a educação de um Príncipe é orientada da forma que se entende ser a mais adequada ao melhor desempenho do seu futuro mester de Rei, de forma a reinar da forma mais útil e favorável para o País. Reinar é uma especialização na defesa dos interesses da Nação que nunca podem ser alvo de desdém e indiferença. Maduro a tomar decisões nunca saltará etapas que possam perigar o estado da Nação.
A mais-valia do Monarca consiste nesta congregação de preparação, probidade e neutralidade, que evita que o Rei caia no aperto da impreparação, no embaraço da falta de ética, na enrascada do comprometimento, pois mantém uma posição de neutralidade em relação a questões políticas, sem compromissos unilaterais que ferem a dignidade do poder moderador que se exige a um Chefe de Estado.
A política, pela sua própria essência, campo de pelejas intermináveis, sobrecarregada de invejas, tem esse destino singular de ser ferida e acicatada, por questões, interesses e lobbies partidários, económicos e financeiros ou mesmo desta ou daquela classe social. Por isso não poucas vezes o bem comum não está suficientemente acautelado.
Assim a função de reinar elimina os comprometimentos eleitorais e as frívolas promessas de campanha e torna a chefia do Estado merecedora de confiança, porque independente de calendários e questiúnculas eleitorais.
A Monarquia funciona ainda como uma força motriz da democracia porque é uma terapia de choque para o caciquismo republicano. Com um Rei como Chefe de Estado terminará aquilo que o Imperador Marco Aurélio descreveu num dos seus célebres Pensamentos: “Desprezando-se, bajulam-se e, querendo ultrapassar-se cedem à vez”. Porque sim, não se caia na cegueira de pensar que o presidente é escolhido pelo Povo, quando é uma escolha exclusiva das fiadas do rotativismo partidário.
Ora, com a figura do Rei que exprime a virtude da dedicação ao bem comum e tem uma superior consciência dos assuntos nacionais, representando da forma mais ética possível a Nação, a Comunidade confia no Rei e revê-se nele, e quererá seguir-lhe o exemplo o que vai fazer repercutir nas instituições democráticas essa ordem. Deste modo, o regime da Monarquia Constitucional Parlamentar é assim contrário à dissimulação e isso influiu no progresso das instituições, que auxiliadas pelo Rei tornam as suas intenções livres da obscuridade e da contradição dos actos.
No nosso ainda novo século, como em nenhum outro antes, testemunha-se nas repúblicas o maior desprezo pela política e pelas instituições, supostamente, democráticas, muito pelo que acontece nos gabinetes do actual sistema, em que políticos manhosos, empanturrados de afectação exercitam a poder com dominação achando-se depositários da jurisdição totalitária de abater a vontade do Povo.
Muitas vezes num ambiente de óbvias tensões, de uma enorme cadeia de causas e feitos, de inúmeros interesses individuais, é esse fim último de Bem Comum que só uma figura totalmente livre e independente pode ter o discernimento para perceber. Essa liberdade, absolutamente necessária, só um Rei possui: “nosso rei é livre”, consequentemente, Nos liberi sumus, Rex noster liber est, manus nostrae nos liberverunt. O que, em português, significa: Nós somos livres, nosso Rei é livre, nossas mãos nos libertaram. E isso constitui a verdadeira Unidade da Nação! Sem essa figura conciliadora, esta unidade nacional quebra-se dando lugar a cisões políticas e sociais interessadas apenas na defesa de interesses particulares e privatísticos da sua facção, isto é passa a haver apenas uma relação negativa entre elementos.
É nesta especialização, na defesa da plena independência do País face ao estrangeiro e no facto de um Rei ser educado para a abnegação pessoal às funções de Chefe de Estado e devoção exclusiva ao bem do País, que resultam as principais vantagens do Monarca Constitucional.
Mas o papel fundamental do Rei não se revela só nisto, Um Rei tem ainda o importante papel de funcionar como símbolo de estabilidade, união e continuidade da Nação, mas, também, é o melhor intérprete da vontade nacional e o derradeiro protector dos cidadãos da Nação fruto da relação instantânea e afinidade natural quer se estabelece entre o Rei e o seu Povo, Elo inquebrantável desde a fundação das nacionalidades.
Também, sem dificuldade, no plano financeiro, demonstra-se que as repúblicas são mais adeptas da prodigalidade que as Monarquias – bem mais economizadas.
Comparando o Orçamento de funcionamento da Casa Real espanhola e o Orçamento de funcionamento da Presidência da República Portuguesa chega-se à seguinte conclusão:
A Casa Real espanhola recebeu, em 2010, 8,9 milhões de euros para as suas despesas.. Examinado o Orçamento de funcionamento da Presidência da República Portuguesa, em 2010, foi de 17,464 milhões de euros.
Esquadrinhando ao pormenor as contas da Família Real espanhola: em 2006, a Casa Real espanhola teve um orçamento de 8 milhões de euros, enquanto o Orçamento de Funcionamento da Presidência da República Portuguesa foi de 17,031 milhões de Euros. O valor das atribuições para a Casa Real Espanhola subiu até 2009, alcançando, nesse ano, o tecto máximo de 8,9 milhões. Nesse ano o Orçamento de Funcionamento da Presidência da República Portuguesa foi de 16,800 milhões de Euros
Com o corte no Orçamento da Casa Real, em 2011, a Monarquia espanhola teve um custo total de 8,43 milhões de euros. Se primeiro Don Juan Carlos I tinha pedido para que o valor se mantivesse no ano de 2011, depois instigou o governo a diminuí-lo. O Orçamento de Funcionamento da Presidência da República Portuguesa foi nesse ano de 2011 de 16,188 milhões de Euros.
Logo, fazendo a ACAREAÇÃO da Monarquia Espanhola com a presidência da república portuguesa, em 2011, a Monarquia custou a cada espanhol 19 cêntimos, enquanto a presidência teve um importo de 1,9 euros para cada cidadão português.
Novamente, em 2012, no âmbito das medidas de austeridade aprovadas pelo Rei e pelo Governo espanhol, o orçamento da Casa Real sofreu um corte de cerca de 5% e os salários dos membros da Família Real e de todos os funcionários uma redução de 15%. Conhecidas as contas reais, ficou a saber-se que do orçamento de 2012 cerca de 300 mil euros foram para o salário do Rei Don Juan Carlos, 146 mil euros para o ordenado do Príncipe Don Felipe e que S.M. a Rainha Dona Sofia, a Princesa Dona Letizia e as infantas Dona Elena e Dona Cristina dividiram, entre si, 375 mil euros/ano.
A presidência da república portuguesa no mesmo exercício orçamental custou 15.139.110 de euros.
O orçamento da Casa Real de Espanha, em 2013, encolheu 2%, passando dos 8,43 milhões de euros para os 8,26 milhões de custo para o Tesouro Espanhol, o montante mais baixo desde 2007. Neste sentido – o da poupança -, também, houve mudanças na representação da Família Real espanhola que tem sido desempenhada sobretudo por SS.MM. os Reis, pelos Príncipes das Astúrias e, ocasionalmente, acompanhando os seus pais, as pequenas Infantas Leonor e Sofia.
Em 2013, a verba destinada para o Orçamento de Funcionamento da Presidência da República Portuguesa foi de 15,13 milhões de Euros, e, continuou a manter os 500 funcionários ao serviço, ou seja, mais 200 que a Coroa Espanhola e, também, que a Casa Real Britânica. Além disso, é inaceitável que os ex-presidentes da república conservem as pensões, ditas subvenções vitalícias, que perfazem mais de 200 mil euros/ano por cada um dos três, ao que acresce gabinete com secretária, segurança e automóveis com motoristas.
Em 2014 o orçamento da Casa Real de Espanha é de 7,7 milhões de euros – menos 2% relativamente ao exercício orçamental de 2013. S.M. o Rei Don Juan Carlos, antes de abdicar, auferiu um salário anual de 220 mil euros; a Rainha 130 mil (45%/salário Rei); o Príncipe das Astúrias, Don Felipe ganhava 100 mil euros/ano; a princesa das Astúrias, Dona Letizia 35% do salário do Rei, isto é, 77 mil euros – menos de metade do que receberia como Pivô da TVE; por fim a Infanta Elena tinha um salário de 25 mil euros/ano.
Com a Abdicação do Rei Juan Carlos I e a Proclamação do novo Soberano Filipe VI, esses cortes mantêm-se e os novos soberanos passam a auferir a verba antes destinada e Don Juan Carlos e Dona Sofia, que passam a auferir bastante menos do que anteriormente, a nova Princesa das Astúrias só auferirá o seu salário a partir dos 18 anos e a Infanta Elena perde o actual salário.
Por cá, o Orçamento de Funcionamento da Presidência da República Portuguesa para 2014 é de 14,683 milhões de euros. Mensurem-se as dimensões dos dois Países e do número de habitantes e retirem-se as devidas conclusões.
Já as Monarquias do Reino da Dinamarca e do Reino da Suécia têm cada uma o mesmo custo anual de 12 milhões de euros e no Luxemburgo a Família Grão-Ducal fica-se pelo custo de 8,7 milhões de euros anuais. A Monarquia belga custa 13,7 milhões de euros ao erário público do país, mas, mesmo assim, o novo Rei já ordenou que houvesse uma significativa redução de despesas da Casa Real, pelo que vai começar a ser feita uma indagação para verem onde pode ser cortada mais verba.
Na Monarquia Britânica, em 2013, a provisão anual da Rainha Isabel II ia inicialmente ter um aumento de 5,8 milhões euros no seu orçamento anual, destinado a cobrir as despesas de cada um dos elementos da Família Real com funções formais e aspectos relacionados com eventos oficiais, como o caso das despesas de deslocação, cujos custos em ano de Jubileu de Diamante aumentaram exponencialmente, por obrigação de deslocação da Rainha e de diversos membros da Família Real em representação da Soberana aos vários territórios de que Sua Majestade é Chefe de Estado, e ainda com alojamento e segurança da Família Real, a conservação dos palácios – tirando os Palácios privados, como Sandringham e Clarence House – e os vencimentos dos trabalhadores e as custas das diferentes entidades associadas à Casa Real.
Todavia, com as medidas de contenção que a Rainha Isabel II decidiu tomar de sua livre e espontânea vontade, estima-se que as provisões da Casa Real inglesa não ultrapassarão os 46,5 milhões de euros, menos 1,8 milhões do que fora estimado inicialmente.
Em 2014 o Orçamento da Família Real Inglesa será de 42 milhões de euros.
Fazendo a síntese histórica do financiamento da Monarquia Inglesa, antes de 1760, o monarca britânico custeava todas as despesas oficiais com as receitas do seu património, compreendendo os lucros das Propriedades da Coroa. Todavia, o Rei Jorge III, anuiu em entregar essas receitas da Coroa em troca da Lista Civil, acordo que subsiste até aos dias de hoje. Desta forma, o Monarca continua dono e senhorio das Propriedades da Coroa, mas não pode vendê-las; os imóveis passam por sucessão de um Soberano para outro.
Nos nossos dias, os lucros obtidos com as Propriedades da Coroa excedem largamente a Lista Civil e as ajudas de custo da Rainha: no exercício financeiro de 2003-2004, as Propriedades da Coroa produziram mais de £ 170 milhões para o Tesouro, enquanto o financiamento parlamentar da Rainha foi inferior a 40 milhões de libras. Não podemos também esquecer que a Família Real Britânica traz retorno financeiro aos seus País: o nascimento do Príncipe George, primogénito dos Duques de Cambridge teve, não só impacto na vida da Família Real, como também na economia do Reino Unido, uma vez que estimulou as receitas do turismo – com os hotéis de Londres a ficarem esgotados -, lembranças, indústria têxtil, e, festividades, o que originou um impacto na economia de mais de 303 milhões de euros; além disso, as visitas do público ao Palácio de Buckingham geram anualmente, com o pagamento das entradas e a venda de merchandising, uma receita de mais de 50 milhões de libras; também, acontecimentos, como o Trooping The Color, a Abertura do Ano Parlamentar e os Casamentos Reais, originaram enormes receitas entre recordações e turismo. Assim nestes 3 últimos anos de Casamento de William e Kate, Jubileu da Rainha Isabel II e Nascimento e Baptizado Real, estima-se que a Família Real Inglesa deu um retorno financeiro de mais de 6 mil milhões de euros ao Reino Unido.
Assim, relativamente à Lista Civil – como se chama ao orçamento real – da Monarquia britânica, há um Superavit do Input em relação ao Output.
Num breve relance comparativo da Monarquia Inglesa, com Países da mesma dimensão internacional, a presidência da república francesa gasta 103 milhões de Euros por ano e a italiana 228 milhões.
Hoje, um Rei já não é aquela figura absoluta e inatingível, que de resto em Portugal nunca o foi, pois como o preceptor d’ El-Rei Dom Sebastião, D. Aleixo de Menezes lembrava ao jovem Rei: “o excesso de afabilidade, senhor, não compromete a autoridade do príncipe…», mas sim o Primeiro Cidadão da Nação, o Primus Inter Pares, o Primeiro Magistrado da Nação. Já não é consagrado e coroado, mas Proclamado ou Aclamado, de resto desde a inauguração do Reinado de Dom João IV, em 1640, que o Rei de Portugal não usava Coroa, pelo que durante a Cerimónia de Coroação a Coroa Real era acomodada numa almofada ao lado do novo Rei, como símbolo real, e não na cabeça do monarca uma vez que El-Rei Dom João IV ofereceu a Coroa Real portuguesa à Padroeira Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa pela protecção concedida na Restauração, em 1640.
“Só te sentir e te pensar
Meus dias vácuos enche e doura.
Mas quando quererás voltar?
Quando é o Rei? Quando é a Hora?”
Fernando Pessoa in “Mensagem” – O Quinto Império, II – Os Avisos, 21/02/1933
De facto, é a Hora de Portugal Acordar para a Realidade do Rei!
Exorta-se a esse salto!
Não é por os partidos serem republicanos – embora com monárquicos nas suas fileiras – que se pode evitar o plebiscito ao regime que nunca foi referendado, mas imposto por via revolucionária.
É necessária uma discussão sobre o tema: Monarquia versus república: vantagens e desvantagens.
Viv’ó Rei! Viv’á Monarquia! Viva Portugal!
Miguel Villas-Boas

24 de junho de 2014

SS.AA.RR. Os Senhores Duques de Bragança presentes na entrega da Cruz da Teologia do Corpo ao Papa Francisco


A Cruz Ut Christus Ecclesiam Amavit (Como Cristo Amou a Igreja), criada pelo Padre Miguel Pereira e pelo Atelier Carlos Oliveira, foi originalmente concebida para o IV Simpósio Internacional que se realizou em Fátima em Junho de 2013.
Para realizar a escultura de 2.70 por 1.80m, os seus autores inspiraram-se nas catequeses de S. João Paulo II sobre a Teologia do Corpo e na cruz da Unidade que foi adoptada por Schoenstatt.

Durante os meses que precederam o IV Simpósio Internacional da Teologia do Corpo, a cruz Ut Christus Ecclesiam Amavit (Como Cristo Amou a Igreja) percorreu várias paróquias das dioceses de Lisboa, Setúbal, Leiria-Fátima e Coimbra como forma de anunciar o simpósio e convocar as pessoas à oração diante do mistério do amor de Deus pela Igreja.
Esta belíssima obra de arte foi oferecida ao Papa Francisco no dia 18 de Junho de 2014no Vaticano, durante a audiência geral, pedindo ao Santo Padre que guie as nossas famílias na busca da Verdade e do Amor de Deus.
O Santo Padre, recebeu a oferta da Cruz da Teologia do Corpo, por uma delegação portuguesa, presidida pelo Padre Miguel Jorge Pereira, presidente da Associação Cultural Amor e Responsabilidade, a qual é responsável pela divulgação e aprofundamento da Teologia do Corpo em Portugal.
Desta delegação portuguesa faziam parte SS. AA. RR.  D. Duarte de Bragança e a D. Isabel Heredia, Duques de Bragança; a Dr. Isilda Pegado, Presidente da Federação Portuguesa pela Vida; a Dr. Maria José Vilaça, Presidente da Associação de Psicólogos  Católicos; o Dr. Paulo Freire Moreira e a D. Ana Luisa Veiga de Macedo, representantes da Missão Mãos Erguidas; a Enfermeira Vanessa Machado, coordenadora pelo FertilityCare™ em Portugal; o Dr. José Veiga de Macedo, representante da Fundação a Junção do Bem e o  artista Carlos Oliveira, autor da Cruz da Teologia do corpo ("Ut Christus Ecclesiam Amavit"), entre outros amigos cada um com o seu vínculo muito especial a esta missão. A todos agradecemos a vossa preciosa presença.
A delegação assistiu à audiência geral e alguns dos membros puderam, mesmo, cumprimentar o santo Padre (Duques de Bragança, ao Padre Miguel Pereira, à Dr. Maria José Vilaça e ao artista Carlos Oliveira). Nesse momento, o Padre Miguel Pereira teve a oportunidade de oferecer ao Santo Padre a tradução portuguesa das catequeses sobre a teologia do corpo, cuja edição coordenou, editada pela Aletheia Editores, e ainda um conjunto de mensagens enviadas por vários portugueses através do site: www.teologiadocorpo.com. A Dr. Maria José Vilaça ofereceu o livro “Os homens e as mulheres são do Éden”, cuja tradução é da sua autoria e o Artista Carlos Oliveira também ofereceu uma réplica da Cruz original que o santo padre teve oportunidade de receber no final da audiência. 
Rezamos para que a Cruz original seja colocada num local onde continue a ter vida; a inspirar vida; a apelar à oração; a interpelar outros homens e mulheres para que descubram quem são e nesse descobrir da Verdade desejem ardentemente ser sinal visível do invisível; desejem ser sinal da Imagem e Semelhança de Deus com que Ele mesmo nos criou; desejem viver a vocação a que Deus os chama transbordando do Espírito Santo; desejem viver com Deus na centralidade das suas vidas; desejem ser famílias que se entregam pela Vida; desejem ser bastões vivos da oração; desejem, enfim, fazer este Caminho que é Jesus Cristo, dando no quotidiano das suas vidas testemunho do Amor! desse Amor Humano no Plano Divino tal como Deus-Pai o desejou!













 Fonte: A Cruz - Teologia do Corpo

VIVA O SÃO JOÃO!


23 de junho de 2014

Comparar República com Monarquia


Vou começar, pelas desvantagens de um regime republicano, como aquele em que vivemos actualmente:
1- a república parte de um pressuposto falso quando os seus partidários afirmam, por exemplo, que “todos” podem ser eleitos Presidente da República a partir dos 35 anos de idade, como aliás está escrito na Constituição. Mas a verdade é que a Presidência da República é um cargo oligárquico, reservado apenas e só a concorrentes partidários, a políticos de carreira que procuram atingir o topo de uma carreira política e, com franqueza, salvo raras e honrosas excepções, pensam mais nas suas carreiras e sondagens do que no longo prazo tão necessário a qualquer país.
2- Por serem candidatos partidários, estão “presos”, digamos assim, aos interesses variados dos grupos partidários e económicos que os ajudaram a ser eleitos e portanto, a independência, isenção e neutralidade que deve conferir a um Chefe de Estado, não pode existir num Presidente da República e como tal, não é o aliado ideal do povo;
3 – Além disso, o actual regime republicano tem um duplo problema: por um lado é um semi-presidencialismo que nem é carne, nem é peixe, ou seja, por outras palavras, se o Presidente intervém muito é criticado e se não intervém criticado é também – basta nos recordarmos de episódios recentes! Por outro lado, trata-se da legitimidade democrática do próprio regime republicano, de facto, nunca a actual Constituição foi referendada, e a própria impede um referendo eventual, dando a escolher a República ou a Monarquia, pelo artigo 288-b). Haveria muito mais a dizer sobre as desvantagens da república.
No que toca às vantagens da Monarquia, é exactamente o contrário: A Chefia de Estado Monárquica é entregue, como Homenagem à Tradição do Povo, a uma Dinastia, que no nosso caso português remonta a Dom Afonso Henriques e que hoje é representada por Dom Duarte de Bragança e sua Família. A Família Real é um reserva anímica, é um factor de coesão e de unidade do Povo em prol do bem comum de todos. É errado, profundamente errado mesmo! considerar a Chefia de Estado Real como um privilégio de uma família sobre as outras. De facto, e conhecendo como felizmente conheço a História Contemporânea da Casa de Bragança, acho que posso afirmar sem sombra de dúvidas que é indubitável a entrega ao serviço de Portugal de todos os Braganças, seja em Monarquia, seja no exílio, seja actualmente e fora do Trono!
Estou também certo de outra coisa: O Senhor Dom Duarte de Bragança, se vier ainda a ser Rei, não precisará de muito, para cumprir o seu Dever de Rei com um profundo amor a Portugal e ao nosso povo!
Por outro lado, o Rei não é nenhum político, não está sujeito a pressões partidárias e de grupos de interesse variados. Está na Chefia do Estado para Servir a Pátria se o Povo o chamar e pode fazê-lo com maior independência, isenção, neutralidade e a sua palavra quando é ouvida, os povos percebem que não é um mero político a falar, mas sim, alguém que ama a sua Pátria e que dedica toda a sua vida a ela. Finalmente, e muito importante: se é verdade que a Constituição republicana actual não foi referendada, assim como também é proibido constitucionalmente referendar a república, colocando como hipótese uma Monarquia, não é menos verdade que, por exemplo, em Espanha, a Constituição actual, antes de entrar em vigor, foi a votos em referendo e 88% dos Espanhóis votou a favor não só do projecto de Lei Fundamental, como obviamente também da Monarquia.

22 de junho de 2014

Pensamentos


«(...) a Monarquia coordenadora de municípios republicanos foi o regime mais certo para Portugal. O regime de que o mundo precisa para sair do atoleiro em que está metido, é realmente o da Monarquia Portuguesa (...)»
 
Agostinho da Silva 


“Condeixa – O Vislumbre de um Império”


Este domingo, dia 22 de Junho, dar-se-á lugar à realização de várias actividades e recreações históricas alusivas à época romana, nas Ruínas de Conímbriga.

O evento terá o seu ponto alto com dois grandes espectáculos, um às 16 horas, intitulado “Circus Ludi Gladiatori” e outro às 21 horas, intitulado “Pugnati Coninbriguis”, que encerrara este evento.

Para além destes dois grandes espectáculos, os visitantes poderão também visitar um mercado romano com ofícios romanos ao vivo, vários jogos romanos direccionados a crianças e adultos, um acampamento romano, uma quinta de animais amestrados, entre outras.

Segundo a Câmara Municipal de Condeixa, este evento "faz parte de uma estratégia de promoção e valorização das Ruínas de Conímbriga", sendo o mesmo realizado este ano pela primeira vez.

21 de junho de 2014

Corpo de Deus na Sé de Lisboa e nas ruas da Baixa

No próximo Domingo, 22 de junho, a Sé Patriarcal de Lisboa acolhe, às 11h30, a celebração da Eucaristia na Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, popularmente conhecida como Corpo de Deus, presidida pelo Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente. Após a celebração, haverá, entre as 13h e as 16h, Adoração do Santíssimo Sacramento.



A partir das 17h, decorre a Solene Procissão do Corpo de Deus, que vai percorrer diversas ruas da cidade de Lisboa (Rua das Pedras Negras, Rua da Madalena, Rua dos Condes de Monsanto, Praça da Figueira, Rua da Prata, Rua da Conceição, Rua de Santo António à Sé) e que termina, no Largo da Sé, pelas 18h30, com a tradicional bênção pelo Patriarca de Lisboa.

SAR, O Senhor D. Duarte de Bragança na Escola Internacional de Torres Vedras


No passado dia 13 de Junho, vinte e cinco dos nossos alunos foram galardoados com a medalha de bronze do Prémio Infante D. Henrique.
Ao abraçar os desafios que nos foram lançados pelo Prémio, procurámos poder proporcionar aos nossos alunos, uma certificação de excelência, no domínio das atitudes e valores, competências que garantem um melhor desempenho e a construção de soluções de vida mais sustentadas.
Assim, para além do cumprimento e certificação das componentes do Currículo Nacional e das Certificações Internacionais no domínio das línguas; nomeadamente em Inglês, Francês e Espanhol, a EITV orgulha-se de, em parceria com Sua Alteza Real o Duque de Bragança, desenvolver um programa de actividades voluntárias e não competitivas que reconhece o mérito, a dedicação, a perseverança e certifica o desempenho dos nossos alunos, no serviço à comunidade; no desenvolvimento de um talento pessoal; na prática de uma actividade desportiva e no espírito de aventura.
Na EITV acreditamos na Ética, na Inovação, na Tecnologia e nos Valores, como factores de diferenciação e estamos certos, de que também você partilha desta mesma visão.
Fonte: EITV

20 de junho de 2014

Proclamação


Acabo de chegar dos estúdios da CMTV o canal 8 da MEO onde estive a comentar a grandiloquente proclamação de Filipe VI como rei de Espanha no programa da Maya (entre as 9,30 e as 10,30). Descartei-me logo da parte protocolar e das mexericos, temas para os quais não estou vocacionado, tentei focar-me nas questões políticas e evidenciar os contrastes entre uma monarquia constitucional moderna como a espanhola e o modelo de chefia de Estado republicano em Portugal. falei com orgulho da Causa Real em que milito e da Casa Real Portuguesa que tanto estimo. 

João Távora

Fonte: Corta-Fitas

19 de junho de 2014

S.A.R. O DUQUE DE BRAGANÇA NOS AÇORES, EM JANTAR DE HOMENAGEM AOS 40 ANOS DE SACERDÓCIO DO PADRE FRANCISCO DOLORES


S.A.R. o Duque de Bragança nos Açores, em jantar de homenagem aos 40 anos de sacerdócio do Padre Francisco Dolores
O Padre Francisco Dolores, Reitor do Santuário da Conceição, completou 40 anos de sacerdócio no dia 19 de Abril de 2014. Esta data foi celebrada com um jantar de homenagem em Angra do Heroísmo, no dia 24 do mesmo mês, por iniciativa da Junta de Freguesia da Conceição.
A festa, que teve lugar no Centro Comunitário de São Bento, contou com a presença de mais de 300 pessoas, entre as quais S.A.R. o Duque de Bragança, que se deslocou de propósito à ilha Terceira para estar presente no evento de homenagem ao seu amigo.
Também estiveram presentes representantes de organismos e movimentos religiosos, de entidades governamentais, amigos e simpatizantes, bem como uma comitiva de Santa Maria, ilha de berço do Padre Francisco Dolores.

Fonte: Joana Dias Pereira / Jornal da Praia
Publicado por: PPM Braga

Corpo e Sangue de Cristo

17 de junho de 2014

XX CONGRESSO DA CAUSA REAL EM VIANA DO CASTELO



Decorrerá no dia 28 de Junho no Auditório do Instituto Politécnico de Viana de Castelo o XX Congresso da Causa Real. Da parte da manhã, os trabalhos consistirão na apreciação do Relatório e Contas de 2013 e na ratificação do registo dos Estatutos da Causa Real. A partir das 14h00 haverá um colóquio sobre o futuro do movimento monárquico intitulado “Ventos do Futuro” que contará com depoimentos dos quatro antigos presidentes da Causa Real, João Mattos e Silva, Augusto Ferreira do Amaral, António de Souza Cardoso e Paulo Teixeira Pinto. Antes do encerramento do Congresso por S.A.R. o Senhor Dom Duarte, terá ainda lugar uma mesa redonda subordinada ao tema do Municipalismo, a cargo dos historiadores António de Matos Reis e Ana Sílvia Albuquerque, com moderação de Paulo Teixeira de Morais.

O Congresso terá, assim, a seguinte Ordem de Trabalhos
09h00 Credenciação dos Congressistas
10h00 Abertura e verificação de quórum
- Apreciação do Relatório e Contas para 2013;
- Ratificação do Registo dos Estatutos da Causa Real;
- Outros assuntos.
11h00 Pausa para café
11h15 Recomeço dos trabalhos
12h30 Intervalo para almoço (livre)
14h00 Colóquio e debate sobre “Perspectivas para o Futuro” dos antigos Presidentes da Causa Real
16h15 Pausa para café
16h45 Colóquio sobre o “Municipalismo” com a participação do Doutor António de Matos Reis e a Doutora Ana Sílvia Albuquerque, e debate com a presença das forças vivas da região
18h15 Encerramento do Congresso

Inscrições:
• Congressistas: €20
• Observadores: €10
Mais informações através do Tlf.: (+351) 21 342 81 15
Horário de atendimento: das 11:00 às 12:45 e das 15:00 às 17:45, de segunda a quinta-feira

14 de junho de 2014

Bandeira de Portugal, Bandeira da Minha Pátria!

10415689_395908083880971_3376428044920939548_n


Introdução e Recolha do texto: Miguel Villas-Boas
Desde a Fundação da nacionalidade, em 1139, que as cores que representam a Nação Portuguesa são o “Azul e Branco”. São as únicas cores do primeiro estandarte de Dom Afonso Henriques e da Bandeira de Portugal adoptada ulteriormente pelo Primeiro Rei de Portugal e Pai da Pátria.
Por isso, também, a Bandeira da Monarquia Constitucional estava dividida de igual em Azul e Branco e depois com o Brasão de Armas do Reino de Portugal aposto no meio.
O Azul e Branco foram as cores adoptadas por corresponderem «àquelas que formam a divisa da Nação Portuguesa desde o princípio da Monarquia.»
À Bandeira de Portugal que na vida do autor era a Azul e Branca da Monarquia Constitucional, Trindade Coelho dedicou o seu famoso poema:
Bandeira de Portugal
«Eu te saúdo, Bandeira de Portugal, fanal augusto das glórias da minha Pátria, eu te saúdo. Sou jovem, mas já sinto no coração a alegria de ter nascido à tua sombra e o orgulho de ser teu filho; e por isso eu te adoro e te saúdo, Bandeira da Minha Pátria. Por ti estudo; por ti desejo ser sábio, para te dar a minha inteligência, e forte, para te dedicar o meu braço; e eu te juro, Bandeira da minha Pátria, que só quero ser grande da tua grandeza, bom da tua bondade, herói do teu heroísmo, e que até à hora da minha morte pedirei a Deus pela tua glória e de todo o coração lhe rogarei que sejas tu a minha mortalha.»

13 de junho de 2014

Alvalade assinalou os 180 anos da passagem e estadia de D. Miguel I


No passado sábado, dia 31 de Maio, a Casa do Povo de Alvalade engalanou-se para assinalar o 180º aniversário da passagem e estadia do Rei D. Miguel I, deposto na sequência da guerra-civil de 1832/34, entre liberais e absolutistas. E se em 1834, Alvalade proporcionou ao Rei D. Miguel I uma estadia tranquila, acolhedora e garantindo que nada faltasse ao régio viajante e respectiva comitiva (para muitos terá sido a melhor recepção e acolhimento que teve ao longo do seu percurso entre Évora e Sines, onde embarcou para o exílio), 180 anos depois Alvalade honrou novamente os seus pergaminhos acolhendo calorosamente S.A.R. a Senhora Dona Isabel de Bragança, S.A. Dom Miguel de Bragança, Duque de Viseu e muitos outros membros da Casa de Bragança, mas também o Embaixador do Luxemburgo, Paul Schmit, vários representantes da família Albino Figueira, descendentes dos Lança Parreira, a família Lobo de Vasconcellos, de Santiago do Cacém, entre muitos outros convidados, para um programa que pretendeu assinalar a efeméride e que teve o seu epicentro na sede da Casa do Povo e no local onde existiu a residência da família Lança Parreira, em plena praça D. Manuel I. A Câmara Municipal de Santiago do Cacém fez-se representar pelo Vereador da Cultura, Norberto Barradas.
O salão de festas da Casa do Povo, onde já se viveram muitos momentos altos da vida social e cultural de Alvalade, guarda agora mais uma página importante da História da freguesia. Naquelas paredes vão ecoar durante muitos anos as palavras simples e hospitaleiras dos anfitriões locais (presidentes da Casa do Povo e da Junta de Freguesia), mas também as duas comunicações/palestras brilhantes a cargo de Francisco Lobo de Vasconcellos e Manuel Braga da Cruz, sobre o percurso e estadia de D. Miguel I, a origem e as ligações familiares dos Lança Parreira e o enquadramento histórico e político do curto reinado de D. Miguel I e da sua vida no exílio.
No local onde esteve a residência da família Lança Parreira, que acolheu D. Miguel I no dia 31 de Maio de 1834, foi descerrado um painel evocativo da efeméride (na fotografia) assinalando e perpectuando a data das comemorações.
A presença de S.A.R. a Senhora Dona Isabel de Bragança conferiu um brilho muito particular às cerimónias, que pela sua simplicidade e simpatia ficará eternamente no coração e na memória dos alvaladenses.

VIVA O SANTO ANTÓNIO!



12 de junho de 2014

Reis, Mecenas e Ilustrados – I Parte

10401551_394061800732266_3792424061706060860_n

Mecenato
Teria sido de Ouro o Século de Augusto sem Mecenas para o dourar?! Teríamos tido Virgílio, Horácio, Ovídio, Tito Lívio e outros se a bolsa de sestércios do segundo não transbordasse?!
Caio Mecenas foi um aristocrata e político romano, senhor de uma enorme fortuna, que pertenceu juntamente com Marco Agripa ao restrito círculo de poder e de amizade do Imperador Octávio César Augusto, tendo mesmo substituído o primeiro Imperador romano na governação de Roma entre 36 e 30 a.C..
Mas foi pelo enorme apoio que deu aos artistas, sobretudo escritores da época como os acima referidos e outros mais, os quais trouxe para a esfera do César, que Mecenas ficou a ser sinónimo de Protector das Artes e das Letras. Ao colocar o dinheiro ao serviço do Estado Romano, Mecenas ajudou Augusto a construir uma Roma de mármore, e, ao financiar os grandes escritores latinos da Era de Ouro de Augusto, possibilitou o engrandecimento de Roma através das Artes, contribuindo indelevelmente para a possante afirmação da maturidade da literatura romana.
Que seria da cultura Ocidental sem ”A Eneida” de Virgílio, sem “A História de Roma” de Tito Lívio, sem as “Odes” de Horácio, sem as “Metamorfoses” de Ovídio, bem diferente por certo, bem mais pobre sem dúvida.
Foi na fase mais difícil da sua vida que Horácio foi apresentado a Mecenas e passou a frequentar a casa do Protector das Letras onde se reunia o mais importante círculo de intelectuais romanos da altura. Por isso conheceu Augusto a quem dedicou uma das suas famosas “Epístolas” assim como cinco poemas na obra maior “Odes”. Por isso Horácio se tornou célebre ainda na juventude.
Toda esta introdução serve para demonstrar que nunca a nossa cultura ocidental seria tão rica se não fosse o papel preponderante dos Príncipes no financiamento do talento e não raras vezes mesmo na própria produção artística. E que melhor maneira de começar se não na Era de Ouro de Augusto que Mecenas ajudou a dourar.
Os Príncipes Portugueses e a Cultura
Depois dos primeiros reis da Primeira Dinastia Portuguesa com preocupações marcadamente políticas e com a formação e manutenção do território, chega-se ao Reinado de Dom Dinis, que transforma Portugal num dos mais famosos focos da poesia europeia da Idade Média, e que ficou conhecido como o Período Trovadoresco ou Galego-Português. Neste período eram sobretudo o “Amor” e a “Amizade” os temas sobre o que os poetas escreviam e que os trovadores cantavam, mas não exclusivamente, debruçando-se ainda em temas políticos sobretudo feitos guerreiros e até mesmo assuntos satíricos.
Mas dominam sobretudo dois estilos de lirismo: as Cantigas d’ Amor – de influência Provençal – e as Cantigas d’ Amigo, completamente nativo português.
As primeiras, recatada e requintadamente platónicas, focam-se no enaltecimento das qualidades da mulher amada ou na expressão da saudade do ente amado.
Nesta sublimação da figura feminina participou el-Rei Dom Dinis com a sua mestria e indiscutível talento poéticos:
«Quer’ eu en maneira de poençal
Fazer agora un cantar d’amor
E querrei muit’ i loar mnha senhor’a,
A que prez nem fremusura non fal,
Nem bondade, e mais vos direi en:
Tanto a fez Deus comprida de bem
Que mais que todas las do mundo val.»
Mas mais conhecidos e enaltecidos são os seus poemas no estilo de Cantigas d’ Amigo, talento que o próprio Fernando Pessoa volvidos séculos decidiu glorificar n’A Mensagem:
D. DINIS
«Na noite escreve um seu Cantar de Amigo
O plantador de naus a haver,
E ouve um silêncio murmuro consigo:
É o rumor dos pinhais que, como um trigo
De Império, ondulam sem se poder ver.»
A mais célebre Cantiga d’ Amigo D’el-Rei Dom Dinis – escrito sobre a perspectiva de uma personagem feminina – como era comum há mestria da época – foi certamente o célebre:
AI FLORES, AI FLORES DO VERDE PINO
«Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo!
Ai Deus, e u é?
Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amado!
Ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu amigo!
aquel que mentiu do que pôs comigo!
Ai Deus, e u é?»
Mas além da Poesia trovadoresca outro elemento contribuía para a aculturação em Portugal, as escolas que se multiplicavam por todo o Reino – embora as primeiras escolas (monásticas) tenham surgido na governação do próprio Conde D. Henrique, assim como o primeiro grande trovador português, D. Gil Sanches (filho de Dom Sancho I e de D. Maria Paes Ribeira).
De resto, desde El-Rei Dom Sancho I, que os Reis portugueses, quais Mecenas, concediam bolsas de estudos para portugueses irem estudar em Bolonha, Salamanca, etc. Mas a partir de 1290, e para o engrandecimento de Portugal, dá-se a abertura do Estudo Geral – primeiro em Coimbra, depois em Lisboa.
Quem herda o talento de seu real pai, é Dom Pedro Afonso, Conde de Barcelos, senhor de uma enorme obra literária – proporcional à sua envergadura física. Duma notabilíssima e profícua produção literária resultam obras como o “Livro das Linhagens” e a “Crónica Geral de Espanha”.
Mas, em Portugal, foi durante os reinados da Dinastia de Avis que se verificou a maior aculturação dos Príncipes e reflexamente a do País.
O gosto pelos autores clássicos, pelas letras, resultado da esmerada educação dos Príncipes da Dinastia de Avis, propiciou a difusão dos textos clássicos. Era a introdução da mentalidade Humanista do Renascimento em Portugal.
É com o início da Dinastia de Avis que, de facto, a sociedade portuguesa sofre a sua maior metamorfose. Para começar a língua portuguesa toma a sua característica e inconfundível fisionomia que é enriquecida com os neologismos que advém do contacto com as obras clássicas. Com o Renascimento vem a ideia de tomar a Antiguidade Clássica como modelo.
A educação que Dom João I recebeu como Grão-mestre da Ordem de Aviz transformou-o num Rei invulgarmente culto para a época e o seu gosto pelo saber passou-o para a sua Ínclita Geração.
O Infante Dom Pedro de Portugal, Duque de Coimbra, quarto filho d’el-Rei Dom João I e da Rainha Dona Filipa de Lencastre, traduz o “De Officiis” de Cícero, e redige ele próprio a maior parte do “Tratado da Virtuosa Benfeitoria”, obra inspirada e assente em Séneca e Cícero. Além, dessa valia pessoal como autor e tradutor não foi menos importante o seu papel como mecenas das Artes, sobretudo das Letras, tendo inclusive sido traduzido por encomenda sua o “De Senectute” por Vasco Fernandes de Lucena, e o “De Amicitia” pelo Prior São Jorge.
Os Príncipes de Avis, quase sem excepção, como nenhuma outra Dinastia, inclusive na Europa, desde a primeira geração até Dom António, Prior do Crato, brilham nas mais variadas áreas das Artes.
Nem vamos abordar o papel guerreiro que o Infante D. Henrique teve nos descobrimentos portugueses – pois não é o tema em análise -, mas sim o seu papel como patrocinador da criação de uma cadeira de Astronomia na Universidade de Coimbra, ou o seu empenho no desenvolvimento da Caravela, de portulanos, de roteiros e de instrumentos náuticos que facilitassem essas mesmas descobertas por parte dos navegadores. “O Navegador” investiu toda a sua fortuna em investigação relacionada com navegação, náutica e cartografia, dando início à epopeia dos Descobrimentos. Esta descoberta geográfica do Mundo empreendida pelos portugueses é reflexo do paradigma do Renascimento na medida que o humanismo não se trata apenas de um ideal de cultura, mas um ideal de pensamento de confiança no Homem. Com os Descobrimentos, Portugal participa na primeira linha da construção de um admirável Mundo Novo.
A mais importante edificação do Reinado de Dom João I foi o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, mais conhecido por Mosteiro da Batalha que o Rei mandou edificar como agradecimento pela vitória na Batalha de Aljubarrota, e onde aliás jaz, na Capela do Fundador, o Rei da “Boa Memória”.
Embora, a História existisse já desde os primórdios da Monarquia Portuguesa, é com Fernão Lopes que esta se autonomiza e se converte em género próprio.
É com Fernão Lopes nas suas “Crónicas” que se inicia um novo e inédito género na literatura portuguesa, a prosa literária, «em que a arte alcança o grau supremo da naturalidade», vincou António José Saraiva in “História da Literatura Portuguesa”. Nesta sublime obra da prosa histórica portuguesa, o historiador oficial da Corte de Avis reúne uma exposição sequente da história dos sucessivos reinados, sem esquecer o exercício narrativo da época, embora o faça de uma maneira independente compilando factos seleccionados nas mais diversas fontes e narrando-os de uma forma muito particular, o que permite dizer que criou um estilo literário próprio. «A História há-de ser luz da verdade e testemunha dos antigos tempos», escreveu. Assim foi!, escrevemos nós.
Isabel de Portugal, única filha de Dom João I e de Dona Filipa de Lencastre, foi uma mulher muito lúcida, inteligente e refinada. Foi uma Mecenas das artes que se fez rodear de artistas e poetas, na corte de seu marido na Borgonha. Também na política exerceu a sua influência sobre o filho Carlos, O Temerário e, em especial, sobre o marido Filipe III, O Bom, Duque de Borgonha, que representou em várias missões de carácter diplomático.
Continuando na Dinastia de Avis, Dom Duarte I que sempre acompanhou o seu pai nos assuntos do reino, sendo portanto um herdeiro preparado para reinar, foi cognominado o Eloquente ou o Rei-Filósofo pelo seu interesse pela cultura e pelas obras que escreveu como o “Leal Conselheiro” um ensaio sobre variados temas onde a moral e religião têm especial enfoque e o “Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda Sela”, manual para Cavaleiros.
Falecido Dom Duarte I, e na menoridade de D. Afonso V, primeiro sua mãe e depois o tio D. Pedro, Duque de Coimbra assumem a regência. Como regente, D. Pedro procurou limitar o desenvolvimento de grandes casas aristocráticas e concentrar o poder na pessoa do Rei. Por sua ordem, cerca de 1448, foram revistas e concluídas as chamadas Ordenações Afonsinas, a primeira compilação oficial de leis do século XV, resultado de um pedido das Cortes a D. João I para a organização de uma colectânea em que se coordenasse e actualizasse o direito vigente, para a boa litigância e fácil administração na justiça.
O país floresceu sob a sua regência, mas o ambiente político não era o mais saudável uma vez que D. Pedro interpunha-se na ambição da nobreza. D. Afonso (filho natural de Dom João I com Inês Pires), Conde de Barcelos, converteu-se no tio predilecto de D. Afonso V e é feito Duque de Bragança em 1442, tornando-se assim no homem mais poderoso de Portugal e num dos mais ricos da Europa. O 1.º Duque de Bragança, casado com a filha de Dom Nuno Álvares Pereira, é inimigo pessoal de D. Pedro, embora meios-irmãos, e assim começou uma luta pelo poder entre duas facções – conjuntura que relatamos sem fazer considerações de que lado se encontrava a justeza de pretensões -, e que terminou com a morte de D. Pedro na Batalha de Alfarrobeira.
Com a estabilidade política retoma-se a afeição pelas artes, tão ao gosto da Dinastia da Boa-Memória. Assim, no século XV, no reinado de Dom Afonso V a pintura portuguesa atinge o seu auge. É de Nuno Gonçalves a autoria do esplendoroso tríptico “Painéis de S. Vicente”.
Também, realizado sob encomenda de D. Afonso V em 1457 e concluído a 24 de Abril 1459, temos o “mapa-múndi de Fra Mauro”, que reúne o conhecimento geográfico da época.
Em 1477, D. João II de Portugal sucedeu ao seu pai após a sua abdicação, mas só subiu ao trono após a sua morte, em 1481, e retirou o poder à aristocracia, concentrando-o em si.
Por o seu reinado corresponder à época de ouro de Portugal, foi-lhe atribuído o cognome “o Príncipe Perfeito”: é do seu reinado o Tratado de Tordesilhas que dividiu o Mundo a conquistar entre Portugal e Espanha. Embora fosse o último quartel do século XV, havia em Portugal, há mais de oitenta anos, uma escola de matemática, cartografia e navegação onde os mais geniais cientistas se dedicavam à pesquisa e esquadrinhamento.
O Afortunado D. Manuel I ascendeu inesperadamente ao trono em circunstâncias excepcionais, sucedendo ao seu primo direito Dom João II. Prosseguiu as descobertas iniciadas pelos seus antecessores, o que levou à descoberta do caminho marítimo para a Índia e do Brasil, assim como das ambicionadas Molucas, as”ilhas das especiarias”. Começou o Império Português, e Portugal torna-se um dos países mais ricos e poderosos da Europa.
A total consagração europeia do rei Dom Manuel I ocorreu com a grandiosa embaixada a Roma chefiada por Tristão da Cunha, em 1514, destacando-se, na magnificência dos presentes enviados ao Papa Leão X, pedras preciosas, tecidos do oriente e inúmeras jóias. Dos animais raros, sobressaíram um cavalo persa e o elefante Hanno, que executava várias habilidades e que doravante seria a mascote do papa. Mas uma das inúmeras novidades que encantaram os espíritos curiosos das Cortes europeias da época terá sido sem dúvida o rinoceronte, proveniente das Índias, que assumiu, então, um papel dominante como motivo na arte italiana.
Em 1521, el-Rei promoveu uma revisão da legislação, as Ordenações Manuelinas que divulgou com ajuda da recente descoberta da Imprensa. Com a prosperidade resultante do comércio, em particular do das especiarias, realizou numerosas obras como o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém, cujo estilo arquitectónico ficou conhecido como “Manuelino”. Dom Manuel I ordenou ainda a reforma dos Estudos Gerais, criando novos planos educativos e bolsas de estudo.
Na sua Corte surge Gil Vicente e o geógrafo Duarte Pacheco Pereira, célebre autor do “Esmeraldo de Situ Orbis”. É, também, do seu reinado o “Livro Três Místicos”, que encanta com a riqueza das suas iluminuras.
Foi na câmara da parturiente, Rainha Dona Maria de Aragão, Infanta de Espanha, filha dos Reis Católicos, que em trajes de vaqueiro Gil Vicente, representou sua primeira peça, o “Auto da Visitação ou Monólogo do Vaqueiro”, o que demonstra claramente que o bardo era um poeta cortesão, o dramaturgo oficial. Sob protecção real explicam-se as liberdades, ao estilo do histrião, tomadas na sua obra.
Como de resto declarou o Imperador Marco Aurélio num dos seus célebres “Pensamentos”: «Que os poetas cómicos tenham dito coisas sérias é sabido».
Se por um lado temos um Gil Vicente, comummente declarado o Pai do Teatro português, que através do seu enorme espírito crítico e da sátira deliciosa enuncia as origens populares da nação e representa a sociedade do seu tempo de forma irónica, mas moralista; temos do outro a prosa de um Bernardim Ribeiro e o seu requintado romance de cavalaria.
Esse lugar de dramaturgo da Corte, ocupou Gil Vicente quer no reinado de Dom Manuel I como no do seu filho e sucessor, Dom João III, que foi educado no Latim e nos clássicos por D. Diogo Ortiz de Villegas, Bispo de Viseu, no Direito Civil por Luís Teixeira, na Matemática, geografia e astronomia por Tomás de Torres.
Com o Reino herdou as elevadíssimas despesas ordinárias da Coroa que incluíam tenças, benesses pias, ordenados, obras públicas, universidade, obras em Belém e em Tomar, típicas de Reis do Renascimento que protegiam os artistas e incentivavam a edificação de monumentos.
Da realeza destaca-se no seu reinado, o seu filho natural, o Infante Duarte de Portugal, arcebispo de Braga, homem extremamente culto, que traduziu para o latim a maior parte da Crónica de Dom Afonso Henriques de Duarte Galvão.
Quanto a Gil Vicente marca indelevelmente a cultura do primeiro terço do século XVI português, pois com os seus Autos fixa os tipos sociais da época, os seus traços e maneirismos, assim como os seus vícios, criando uma obra verdadeiramente nacional, sem influências de outras amplitudes.
Quanto a Bernardim Ribeiro cabe-lhe o papel de introduzir, com as suas Éclogas, o Bucolismo em Portugal. Também, o seu estilo acompanha a evolução da moral e as suas exigências e introduz a novela cavaleiresca sentimental integrada num ambiente feminino em que a donzela passa a dominar como figura moral e principal, mas em que a acção se exprime na tragédia amorosa, como em “Menina e Moça”.
Frequentador dos Serões do Paço, Sá de Miranda começou por colaborar no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, mas o seu génio aparece um pouco mais tarde, depois de uma estadia em Itália patrocinada em parte pela Coroa. Após o seu regresso a Portugal publica, em 1527, os “Estrangeiros”, uma comédia que o distingue como inovador na literatura da época: é a primeira comédia em prosa. Sendo-lhe concedida uma comenda perto de Ponte de Lima, aí torna-se à maneira do grande Horácio, mentor de um grupo intelectual composto por Francisco de Sá Menezes, D. Manuel Portugal, entre outros, que se apelidam de “Italianizantes” e cujo anelo supremo é a produção de um poema que eternizasse o glorioso Portugal quinhentista. Esse desiderato de imortalizar o heróico Portugal viria a ser cumprido mais tarde, mas por outro poeta, o maior da Língua portuguesa, Luís Vaz de Camões in “Os Lusíadas”. Mas antes disso, de facto, Sá de Miranda provocou uma profunda renovação estética sintetizando a totalidade dos perfis da vida lusitana ao paradigma do rigor clássicos. Profundo defensor dos valores morais, na sua obra reflecte-se esse padrão de seriedade de doutrinação moral, mas elevado ao nível da sublimação profética.
«Virgem do sol vestida, e nos teus raios
Claros envolta toda, e das estrelas
Coroada, e debaix’os pés a lua,
São vindas minhas culpas e querelas
Sobre mim, tantas! Valei-me aos desmaios;
De muitas, que possa ir chorando alguma.»
Nota-se também a sua ligação à Coroa uma vez que coloca o seu talento a cumprir a função de defesa do ideal da Monarquia como defesa do bem comum:
A el-rei D. João
«Rei de muitos reis, se um dia,
Se uma hora só, mal me atrevo
Ocupar-vos, mal faria,
E ao bem comum não teria
O respeito que ter devo;

Porque, Senhor, eles sós
(justo e poderoso rei!),
Desdão ou lhe cortam nós,
Como também entre nós,
Que sois nossa viva lei.»
E eis que surge o primeiro génio da literatura portuguesa a escrever só na língua mãe: António Ferreira. Principal teórico do Clássico Português, Ferreira teve uma importância notória na afirmação da língua nacional, uma vez que antes dele o Latim era a língua usada pelos eruditos e o castelhano a língua falada na Corte, pelo que o podemos elogiar e classificar como sendo um “grande patriota”. Toda a sua obra reflecte esse desígnio de estabelecer a língua portuguesa como instrumento de arte, embora não se dedique ao poema épico, mas à temática amorosa. De facto a elevação da sua arte ostenta-a na “Castro”, que dentro dos cânones da tragédia clássica é adaptada a um tema bem português: a “Tragédia de Inês de Castro” – como de resto primeiramente se chamou. Destilando todas as influências do teatro greco-romano dá à obra uma densidade poética e uma qualidade dramática próprias e nacionais.
Eis, Camões!
Não nos vamos debruçar no edifício que é a sua biografia até porque Camões é igualmente Mito, mas sobre o que a sua obra significou para a Lusitanidade.
A sua avó paterna era parente de Vasco da Gama, e daí se compreenderá a emoção com que o poeta narra os feitos do seu antepassado como se fizesse de alguma forma parte deles.
A sua vida e a dos reis da altura estão ligados por um fio condutor. Camões numa contenda do Dia de Corpo de Deus participou numa rixa na qual feriu um criado d’el-rei Dom João III. Condenado ao cárcere, Camões só conseguiu o real perdão depois de se alistar como soldado para cumprir 3 anos de serviço militar na Índia, onde acabou por permanecer durante 16 anos. Aí serviu sob o comando de oito vice-reis que funcionaram também como seus patronos. De regresso a Lisboa, em 24 de Setembro de 1571 a Real Mesa Censória concedeu-lhe licença para publicar “Os Lusíadas”. Logo a publicação causou tremendo alvoroço e Luís Vaz foi aclamado como o maior poeta da Lusitanidade. Convocado à Presença do jovem Rei Dom Sebastião, Camões lê a obra maior da Portugalidade e cativa a profunda admiração do monarca deixando o rei adolescente ainda mais cheio de ideias de grandiosidade: a empresa de Alcácer Quibir aproximava-se.
Antes de partir para não mais voltar, Dom Sebastião por Alvará régio de 27 de Julho de 1572 concede a Luís Vaz de Camões a Tença de 15 mil réis pelo Poema e pelos serviços prestados à Coroa.
É desta época, também, o começo da literatura de viagens, sendo que o maior exemplo deste género é a prosa aventureira da “Peregrinação” de Fernão Mendes Pinto, que relata as suas aventuras pelo Extremo Oriente. Não é de somenos importância a presença do aventureiro lusitano por essas longínquas paragens, pois lembremo-nos que Fernão Mendes teve um grande papel na afirmação da força e do poder portugueses no Oriente. Apesar de muitas vezes ter actuado como corsário, morreu pobre, facto a que também não será alheia a sua enorme generosidade: recorde-se que ofertou uma enorme quantia em dinheiro para a construção da primeira igreja cristã no Japão.
No Reinado de D. Sebastião, outra realização cultural importante foi o estabelecimento de uma nova Universidade em Évora, pelo Cardeal-Infante D. Henrique, seu tio, que a entregou aos Jesuítas.
O Cardeal-Rei D. Henrique, que aquando arcebispo de Évora fundou a primeira Universidade de Évora, transformou a cidade alentejana num importantíssimo pólo cultural, acolhendo alguns vultos da cultura da altura, como Pedro Nunes, André de Resende, Nicolau Clenardo, entre outros. Não pelas suas mãos, mas com sua autorização dada ao dominicano Frei Luís de Granada que editou em português uma obra sua, intitulada “Meditações e homilias sobre alguns mysterios da vida de nosso Redemptor, e sobre alguns logares do Santo Evangelho, que fez o Serenissimo e Reverendissimo Cardeal Infante D. Henrique por sua particular devoção”, Lisboa 1574. Redigida em português, esta obra visava substituir a palavra oral pela escrita, num esforço de chegar às recuadas aldeias onde dificilmente chegava, pela escassez de religiosos conhecedores do Latim.
E veio a perda da independência, mas não para sempre!
(Contínua em “Reis, Mecenas e Ilustrados – II Parte”)
Miguel Villas-Boas