2 de agosto de 2014

Viagem Medieval em Terra de Santa Maria


Com apenas treze anos, D. Sancho II assume a pesada tarefa de governar um reino interdito e em perfeita desordem social. Daí os primeiros actos governativos terem sido dedicados ao apaziguamento de conflitos sociais anteriores, fazendo acordos com suas tias, Teresa e Sancha, e com o arcebispo de Braga, Estevão Soares da Silva.

Mas, no decorrer do reinado, os agravos e confrontos que opõem ricos-homens, membros da igreja e rei tornam-se quase permanentes. A Santa Sé vai repreendendo o rei, exigindo que respeite os direitos e privilégios da Igreja e este, por sua vez, vai parecendo submeter-se. Mas, as queixas contra o monarca continuam, mudando apenas os actores.

Considerado por alguns, digno continuador de seu bisavô Afonso Henriques, incentivando à Cruzada contra os infiéis em terras de Além Tejo e Algarve, o mesmo não se dirá do seu governo, com a situação a agravar-se na década de quarenta: um casamento com Mécia Lopes de Haro contestado por todos, um reino em perfeita anarquia e as intrigas de seu irmão Afonso junto do papa serão motivos determinantes para que, no Concílio de Lyon, seja decidida a deposição de D. Sancho II, no governo e administração do reino, nomeando para o efeito o irmão, Afonso de Bolonha, como governador e regedor do reino.

Este mandado papal provoca reacções adversas e desencadeia uma guerra civil, fustigada por inúmeras traições de nobres e alcaides. Em socorro de D. Sancho II virá o infante Afonso, de Castela, futuro Afonso X, que consegue travar o adversário, mas el-rei reconhece que a sua derrota está próxima e decide exilar-se para o reino vizinho.

Rei deposto, sem governo, amigo e esposo atraiçoado, será em Janeiro de 1248, na presença de muito poucos, que D. Sancho II fará o seu último testamento, falecendo quase um mês depois, na cidade de Toledo.

Sem comentários: