5 de setembro de 2014

Azul, a velha nova cor do Palácio Nacional de Queluz

undefined

Parques de Sintra anuncia que fachadas do palácio viradas aos jardins eram originalmente azuis. E vão voltar a sê-lo. Já se pode ter uma ideia do efeito: foi colocada uma tela gigante na fachada com o azul do passado e do futuro.
"A cor azul resulta de um aprofundado estudo e discussão entre todos os que ao longo de mais de 20 anos se debruçaram sobre esta questão. Análises laboratoriais de amostras de rebocos, investigação documental e desenhos e fotografias antigas, não deixam dúvidas: o Palácio de Queluz, pelo menos nas suas fachadas viradas aos Jardins, era azul.".
É assim que a Parques de Sintra, responsável pela gestão de vários monumentos do concelho, resume, em comunicado, a decisão de retomar o azul como cor do palácio. Para mais, há outro documento concludente: "um desenho aguarelado datado de 1836, existente na Torre do Tombo, mostra claramente a coloração do Palácio em tons de azul e ocre".
Por agora, no "troço central da fachada principal sobre o Jardim Pênsil do Palácio Nacional de Queluz" foi colocado um "andaime protegido por uma tela" que reproduz a decoração original do palácio.
A tela não é apenas decorativa: protege também os trabalhos que decorrem no âmbito de um "estudo mais aprofundado dos vários elementos que compõem as fachadas" - "cantarias, esculturas, gradeamentos de varandas, caixilhos, portadas e rebocos" - que, confirmam, estão "muito degradadas e que ao longo dos tempos foram sendo pintadas com cores e tons diferentes". Será neste troço que serão feitos testes de restauro integral, "ensaiando materiais, técnicas e composições decorativas (molduras e fingimentos) que serão depois avaliados para aplicação nos restantes".
Segundo a Parques de Sintra, "são diversas as intervenções programadas para requalificar este negligenciado monumento". A própria gestora confirma que, embora Queluz seja o "mais importante exemplo português da arquitectura barroca da segunda metade do século XVIII" (e próximo de Lisboa e Sintra), é "pouco conhecido de visitantes nacionais e estrangeiros, muito devido a esse estado de degradação, situação que importa inverter".
A empresa gere o Palácio Nacional de Queluz desde 2012 e, na altura, referem, foi diagnosticado o "elevado estado geral de degradação do conjunto" (palácio e jardins). Apenas a estatuária tinha sido alvo de restauro, apoiado pelo World Monuments Fund. 
Com as intervenções de requalificação, a Parques de Sintra espera "um impacto muito positivo". E o regresso do azul à fachada é mais uma forma de criar um "novo interesse do público por este monumento".
Informações
O palácio e jardins podem ser visitados das 9h às 19h (último bilhete 18h). O bilhete para adulto (18-64 anos) custa 9,50 euros, jovem (6-17 anos) 7,5 euros, sénior (maiores de 65) 8,5 euros. Mas há descontos, com uma "happy hour palácio", diariamente das 15h30 às 18h: o bilhete adulto fica por 7,50 euros, jovem por 6 euros, sénior por 6,5 euros. Para os jardins, os bilhetes custam 4,50 (adulto), 3 (jovem), 3,5 (sénior). A página informativa está aqui. A Parques de Sintra tem também outros tipos de bilhetes, incluindo bilhetes combinados de vários parques.
Fonte: Público

Sem comentários: