27 de junho de 2015

Feira Afonsina 2015

Feiraafonsina2015 3 1 690 2000


Corre o mês de Abril do ano da graça de 1128 e as tropas de Castela, comandadas por Afonso VII, haviam levantado o cerco às terras de Guimarães. O burgo volta paulatinamente ao seu quotidiano onde o clima de paz estimula a população a retomar as suas actividades habituais. 
De forma a agradecer às suas gentes, que com ele haviam passado male et pena, e garantir a continuação desse mesmo auxílio, D. Afonso Henriques confirma o foral outorgado por seu pai (1096) e concede novas regalias aos moradores de Guimarães. Tais regalias, embora questionadas, são bem recebidas pelo povo que rejubila e festeja e pelos senhores que viriam a apoiar o Infante naquela decisiva tarde de 24 de Junho, nos campos de S. Mamede...

Espectáculo / Momentos de Recriação
Sexta-feira - 26 | 17H30, 19H30, 21H30 e 22H30
Sábado - 27 | 11H30, 15H00, 18H00, 21H30 e 22H30
Domingo - 28 | 11H30, 15H00, 18H00, 21H30

Confirmação do Foram de Guimarães - Tribunal da Relação de Guimarães
Após o cerco a Guimarães, o príncipe Afonso Henriques acompanha seu primo, Afonso VII, a Santiago de Compostela, deixando para trás um burgo e uma população que tão bravamente tinham resistido aos intentos do imperador.
Regressando ao Condado, o jovem príncipe sente que tem uma dívida de gratidão para com Guimarães e o seu povo. Decide, então, confirmar-lhes o foral outorgado pelo conde D. Henrique, seu pai, concedendo-lhes novos privilégios e antecipando, até, a lealdade que lhes seria pedida em futuras quezílias com Dª Teresa.
*. Entrada limitada à lotação do espaço. Admissão por ordem de chegada.

Anúncio público do foral 
Confirmado que fora o foral, urge que a sua nova redacção seja tornada pública. Pelo burgo, o arauto empenha-se em dar a conhecer a todos as novas disposições acrescentadas pelo príncipe Afonso Henriques a um foral que já não era novo.
Mas se há quem receba com agrado os novos preceitos agora anunciados, outros há que os questionam e que se perguntam sobre os motivos de tais disposições.

Horários:
Sexta-feira 
18h30 – Praça da Oliveira
20h00 – Largo da Misericórdia
21h30 – Estátua Afonso Henriques
23h00 – Largo Cónego José Maria Gomes

Sábado 
13h30 – Largo da Misericórdia
16h00 – Praça da Oliveira
19h00 – Largo Condessa do Juncal
22h00 – Estátua D. Afonso Henriques
23h00 – Largo Cónego José Maria Gomes
Domingo
13h30 – Largo da Misericórdia
16h00 – Largo da Oliveira
19h00 – Largo Condessa do Juncal
21h30 – Estátua D. Afonso Henriques

Áreas temáticas
Acampamento rurall (Ruris vivendi) (Junto ao Castelo de Guimarães)
Naquela encosta, ali bem perto das muralhas, pode-se avistar um acampamento onde as pessoas sobrevivem do que a terra e os  animais lhes dão. É um ambiente rural onde a vivência e os costumes relacionados com a agricultura, criação de gado e a caça estão bem presentes.

Arraial (Junto ao Castelo de Guimarães)
Como forma de protecção e de preparação para as batalhas, os militares juntam-se nas imediações do castelo montando Arraial. O quotidiano das tropas de D. Afonso Henriques é de intenso treino. Uma série de talentosos artífices acompanham a coluna fornecendo as mais diversas necessidades: armas, roupa, comida…

O Jardim dos Infantes (Colina Sagrada)
No jardim do Largo Martins Sarmento, um espaço lúdico para os infantes e seus acompanhantes se divertirem. Os mais pequenos irão treinar a sua bravura e destreza em jogos e brincadeiras fundamentais para o desenvolvimento das futuras damas e cavaleiros.

Largo do oculto (Largo dos Laranjais)
Ensombrados pelas flores e folhas de laranjeira, escondem-se aqueles que da sociedade procuram retiro. Os seus produtos e crenças pertencem ao oculto. Para além dos conselhos e consultas existem pedras com poderes especiais, ervas medicinais, amuletos, mezinhas e outros produtos místicos.

Quelho das desgraças (Rua João Lopes de Faria)
Este é o habitat dos larápios, dos pedintes, das meretrizes, dos loucos e dos empestados. Vivendo em comunidade, são obrigados a interagir pois este é o local onde todos podem sobreviver. A esterqueira, os objectos de tortura, o pequeno altar dos renegados, as padiolas, o carro dos cadáveres, os baldes da água de lavar feridas, entre outros, são elementos fortes deste quadro vivo.
Praça de mercar (Rua de Santa Maria)
Chega a caravana de mercadores mas a sua passagem é marcada pela sonoridade dos chocalhos e aromas dos produtos frescos. Ouvem-se pregões das bocas dos mercadores a chamar a clientela madrugadora. A vida no burgo aquece à medida que o sol ilumina as praças, ainda cobertas por um manto de nevoeiro das fogueiras da noite passada.
Chegada dos mercadores: todos os dias às 10h30
Partida dos mercadores: todos os dias às 21h30

Largo do Duques (Largo da Misericórdia)
Aqui brinca-se à época..., acompanhados de seus pais ou ao cuidado atento das Amas do reino; pequenos Cavaleiros aprendem a
defender as suas Damas, juntos intentam as danças da corte, declamam com os jograis, sonham ser trovadores, enfeitam os seus cabelos com flores, e pintam seus amores.

Estalagem Ti-Berna (Largo Condessa do Juncal)
Diz-se que é na Estalagem Ti-berna que se bebe o melhor vinho e se comem as mais apreciadas iguarias da região. Esta fama traz clientela das mais distantes terras, forasteiros à procura de descanso e diversão, mas nem todos com as melhores intenções... Entre uma e outra confusão, bêbados, Taberneiros, homens e mulheres do povo, protagonizam as histórias mais incrédulas, num espírito de festa e confraternização.

Zona das iguarias (junto à estátua de D. Afonso Henriques, Largo José Maria Gomes, Rua D. Nuno Álvares Pereira e Largo Condessa do Juncal).
Área dedicada ao repasto de toda a população. À volta de uma mesa as conversas jorram como o vinho das pipas
e por entre os pregões e o fumo das brasas, vão se partilhando os mais diversos petiscos e iguarias, confeccionados segundo as técnicas mais antigas.

B - Zona de mercadores (Largo Maetins Sarmento, Praça de S. Tiago, Largo João Franco, Largo da Misericórdia, Largo Condessa do Juncal e Largo da Oliveira).
Era o comércio uma das principais actividades económicas nos tempos Afonsinos. E como tal, todos aqueles que eram dotados da arte de criar objectos e utensílios de trabalho ou ócio, reuniam-se para mostrar e vender seus produtos.

Oficinas para todos 
Actividades para o público (Actividades de inscrição obrigatória, e limitadas a lotação máxima. Inscrições no posto de informação)

Almoço  / Jantar no arraial
Uma refeição diferente, confeccionada com as técnicas e ingredientes da época.
Duração: 90 minutos
M/6
Preço
: 6,00:€
Horário: todos os dias às 13h00 e 20h30
Inscrições: Até 60 minutos antes da hora pretendida
Limite de 8 pessoas

Visita ao acampamento dos arqueiros
Uma visita guiada ao mundo dos arqueiros. O processo de fabrico do arco e flecha, algumas das técnicas de combate e alguns
ofícios do quotidiano são componentes desta visita.
Duração: 30 min
M/6
Horários
: todos os dias às 15h00 e 18h00
Inscrições: Até 30 minutos antes do inicio da actividade
Limite de 10 pessoas

Na pele de um guerreiro
Os visitantes poderão tomar parte de um treino militar. Desde o experimentar de algumas vestes e armas às técnicas mais básicas do treino com espada e/ou lança.
Duração: 30 minutos
Horário: todos os dias às 16h e 19h
M/12
Inscrições
: Até 30 minutos antes do inicio da actividade
Limite de 10 pessoas


Sem comentários: