17 de janeiro de 2016

FAMÍLIA REAL ESTARÁ PRESENTE NA FESTA DAS FOGACEIRAS 2016


A Festa das Fogaceiras é a mais antiga e simbólica festividade religiosa do concelho de Santa Maria da Feira, sendo também celebrada além-fronteiras – no Brasil, na Venezuela e na África do Sul – pelas comunidades portuguesas.



 A Festa das Fogaceiras teve origem num voto ao Mártir S. Sebastião, feito pelo povo da Terra de Santa Maria, numa altura em que a região teria sido assolada por um surto de peste que dizimou parte da população. Em troca de protecção, o povo prometeu, em cada dia 20 de Janeiro, uma procissão e a oferta de um pão doce e delgado, habituado a ser confeccionado para ocasiões especiais: a fogaça.

Esta devoção popular do culto a S. Sebastião recrudesceu na época medieval, devido às catástrofes da altura, como aconteceu em 1505, levando a que manifestações religiosas anteriores, como a festa do Espírito Santo, promovida na época da rainha Santa Isabel, donatária do Castelo da Feira, fossem convertidas no cerimonial da devoção ao Mártir, sempre acompanhado pela fogaça, o pão doce distribuído pelos pobres, dando continuidade à partilha comunitária e assistencial já vivida.

No início do cumprimento do voto, é referida a existência de três fogaças confeccionadas especificamente para o ritual da devoção, que eram levadas em procissão por três jovens donzelas, desde o Castelo até à Igreja Matriz, onde eram benzidas, cortadas e repartidas pelo povo aí presente, servindo de paliativo contra os males do mundo: a fome, a peste e a guerra.

Em 1758, continuam a ir em procissão cinco jovens: três delas levam à cabeça as fogaças de um alqueire cada uma; uma leva o tabuleiro com cinco velas; e outra leva à cabeça a miniatura do Castelo da Feira “ornado de muitas bandeiras”. Nesta altura, a fogaça poderia já ter o formato que tem hoje, com a representação das quatro torres do Castelo de Santa Maria, também visto como símbolo de união deste vasto território que outrora se designou por Terra de Santa Maria.


Com o cerimonial um pouco diferente após a implantação da República, acrescenta-se o Cortejo Cívico, realizado antes da Missa Solene, e que sai dos Paços do Concelho até à Igreja Matriz do Espírito Santo, incorporando dezenas, e por vezes, centenas de meninas calçadas e vestidas de branco com uma faixa de cor à cintura – as fogaceiras –, levando à cabeça a doce Fogaça da Feira, mantendo-se a tradição dos três mandados – as três fogaças maiores –, o tabuleiro com as velas de cera e o castelo em miniatura, ornamentados com bandeiras feitas de papel colorido, recortadas de maneira a que lembrem as muralhas do castelo, acompanhadas, no couce do cortejo, pelas autoridades políticas, administrativas, judiciais e militares e outras personalidades de relevo na vida municipal.




A Procissão solene realiza-se a meio da tarde, congregando o Cortejo Cívico com os símbolos religiosos, destacando-se o Mártir S. Sebastião e a Nossa Senhora do Castelo. Durante o Estado Novo, os três mandados – três grandes fogaças – deixaram de ser repartidos pelo povo presente na cerimónia, passando a ser distribuídos pelos reclusos da prisão da Feira e pessoas consideradas mais carenciadas. Actualmente, os mandados são enviados às entidades religiosas, militares e administrativas do concelho de Santa Maria da Feira.


Símbolo de união

Tal como outrora, hoje as gentes do concelho de Santa Maria da Feira têm a oportunidade de manifestar o culto a S. Sebastião numa festa e num voto, que é a fogaça, representando a figura do Castelo da Feira, símbolo de união e de identidade colectiva deste vasto território repartido por vários concelhos e que outrora pertenciam à Terra de Santa Maria e mais tarde ao condado da Feira, governado na sua plenitude pelos condes Pereira desde o final da centúria de quatrocentos até 1700.

A fogaça, pão doce referido em diversos documentos medievais, principalmente no Norte do país, fazia parte dos foros e tributos que o camponês devia pagar ao senhor da terra por alturas de festas religiosas. Na Terra de Santa Maria, a fogaça, de formato peculiar, simbolizando as quatro torres do castelo da Feira, foi transformada em voto sagrado dedicado ao Mártir S. Sebastião, dando origem ao nome da maior festa religiosa centenária realizada neste Município – a Festa das Fogaceiras.

A fogaça, comercializada durante todo o ano, é cozida diariamente em várias casas de fabrico do concelho e distingue-se pelos tradicionais preparos assim como na forma como vai a cozer ao forno.

Manda a tradição que, por ocasião da Festa das Fogaceiras, os santamarianos enviem fogaças aos familiares e amigos que se encontram longe.


A Fogaça da Feira


A Fogaça é um pão doce tradicional de Santa Maria da Feira, cujo formato estiliza a torre de menagem do Castelo com os seus quatro coruchéus.


É cozida diariamente em várias casas de fabrico do Concelho e distingue-se por tradicionais aprestos, quer no preparo, quer na forma como vai ao forno. Comercializada durante todo o ano, a Fogaça da Feira é utilizada como voto na Festa das Fogaceiras, celebrada a 20 de Janeiro.



Ingredientes

Farinha de trigo, ovos, açúcar, manteiga, fermento de padeiro, água, canela, sal grosso e sumo e raspa de casca de limão.

Confecção

Dissolve-se o fermento na água tépida e junta-se farinha de trigo até se obter uma massa mole. Se o ambiente for ameno, deixa-se levedar 15 minutos. Depois adicionam-se os ovos, o açúcar previamente peneirado com a canela, a manteiga, o sal, a raspa e o sumo dos limões e a farinha necessária para se obter uma massa um pouco mais consistente do que a do pão. Deixa-se fermentar 30 minutos, o tempo necessário para a massa dobrar de volume.

Nesta altura, formam-se bocados de massa do tamanho que se pretende fazer a fogaça, e moldam-se num rolo comprido, semelhante a uma serpente. Depois, começa-se a enrolar pelo lado mais largo, resultando uma pirâmide.

À medida que vão sendo enroladas, as pirâmides vão sendo colocadas no tendal (tabuleiro forrado com um pano polvilhado com farinha), onde voltam a crescer (entre 30 minutos a 1 hora).
Colocam-se as fogaças em fila na pá do forno e pincelam-se com ovo batido. Com uma tesoura, dão-se quatro golpes no topo da pirâmide, dos quais resultarão os quatro coruchéus da torre de menagem do Castelo.

Introduzem-se as fogaças em forno bem quente e, 15 minutos depois, puxam-se para fora com a ajuda da pá e, à mão, separam-se as “torres do Castelo”, permitindo, assim, que o calor penetre no interior das fogaças, cozendo-as uniformemente.

Para mais informações, contactar o Agrupamento de Produtores de Fogaça da Feira (e-mail fogacadafeira@gmail.com)
ou a Confraria da Fogaça da Feira (e-mail confrariadafogaca@gmail.com).


Sem comentários: