23 de fevereiro de 2016

O cidadão monárquico

Será a relevância que atribuirmos à defesa da democracia, de uma  melhor democracia, para uma melhor sociedade e de para uma atividade política mais credível, que permitirá aos portugueses ultrapassar algumas convenções do republicanismo que enchem como trompas os ares. Também o absolutismo ou o imperialismo napoleónico incorporaram ideais igualitários visando uma cidadania consciente, mas os tempos desta nossa democracia republicana, herdeiros, é certo, daquelas ideias do século XVIII e XIX, estão a produzir muito aceleradamente a falência do sonho de justiça social, do projeto de vida e da credibilidade política.
   O nosso empenho é, para contrariar este plano inclinado, a monarquia constitucional, onde não tem lugar nem a ambição pessoal nem aspetos partidários na representação do Estado, mas a afirmação de uma independência de fato além de interesses particulares, a promoção de uma estratégica de longo prazo para os objetivos comuns à democracia, a voz dos mais pobres - que não estão representados em sindicatos e não têm voz. 
   Sendo que, na experiência de nossos dias, a monarquia constitucional é a mais avançada forma social e política presente na política europeia, quer na área social, cultural e económica.


Sem comentários: