27 de agosto de 2016

ALJUBARROTA VIVE?



EFEMÉRIDE
ALJUBARROTA VIVE?

14/08/16

“Aljubarrota, Exmº Senhor não é um acto isolado na história de Portugal e pode repetir-se sempre que haja um governo consciente da sua missão e saiba pôr acima dos interesses particulares o interesse nacional e não faça da cobardia uma virtude cívica.”
General Gomes da Costa, 15 de Agosto de 1925.


Passam hoje 631 anos, que o Exército Português, pequeno em meios, mas grande na alma, esmagou o poderoso exército castelhano e gascão, na luminosa tarde desse longínquo 14 de Agosto.

Conseguiu-o com a graça de Deus e o valor dos seus soldados e chefes.

Comandava a hoste aquele que viria a ficar na História como o Rei de “Boa Memória”, e o seu talentoso Condestável, o “grande” D. Nuno Álvares Pereira, canonizado em 2009, com o nome de São Nuno de Santa Maria.

A escolha do ponto de expectativa estratégica, onde se concentraram as tropas, Abrantes – um verdadeiro ”umbigo” do País – permitiu a melhor vigilância do teatro de operações e dos objectivos possíveis e, por isso, constituiu a melhor opção para a tomada de decisões.

Mas foi a audácia e determinação do jovem Nuno, que decidiu a contenda ao forçar a dar combate e cortar o passo ao Rei de Castela que, naturalmente, se dirigia a Lisboa, e à sua competência técnica e táctica, na escolha e organização do local onde se travaria a batalha e, com isso, ter anulado a vantagem numérica do inimigo.

Em cerca de 30 minutos tudo estava resolvido e os castelhanos e gascões estavam em debandada, tendo muitos deixado lá os ossos e muitos mais provado o sangue, o suor e o pó do combate!

Foram-se em luto e em vergonha, mas depois disso e até hoje, tentaram voltar muitas mais vezes.

E não só pela força das armas, como é demonstrado pelas acções capciosas da economia, cultura e, sobretudo, financeiras, contemporâneas.

Aljubarrota foi importante?

Não, foi decisiva.

Não fora a vitória nessa, para sempre gloriosa, jornada, e hoje seriamos completamente diferentes do que somos. E não seriamos melhores.

Como afirmou Fernando Pessoa, “os espanhóis, nossos absolutos contrários”…

O magnífico mosteiro de Santa Maria da Vitória – vulgo Batalha – aí está para eternizar o evento, já que a juventude portuguesa deixou de saber o que se passou e seu significado.

Os pais e professores (já nem falo na cáfila política) deixaram de lhes ensinar seja o que for sobre a História de seus avós. É uma coisa terrível.

Até o Exército deixou de comemorar condignamente a data, apesar da mesma representar o “Dia da Infantaria Portuguesa” e o seu imorredoiro Patrono, que sendo um nobre cavaleiro, apeou para combater, pois tal melhor se coadunava com as características do terreno e da ordem de batalha.

Estimo que a infantaria portuguesa (enfim, o que resta dela) nunca perca de vista os exemplos daqueles que lhes servem de modelo, para que se possa sempre cobrir da glória de bem - fazer, e nunca de opróbrio.

Aos heróis de Aljubarrota:

APRESENTAR ARMAS!


João José Brandão Ferreira
Oficial Piloto Aviador

Fonte: O Adamastor

Sem comentários: