22 de fevereiro de 2016

Corrupção, desporto nacional!

Anda a par com o futebol, o equipamento é conhecido, limousine preta e colarinho branco, joga-se nos camarotes, o treino é à porta fechada. Tem observatórios, candidatos à presidência da república, artigos de fundo nos jornais, mas nada disso a incomoda. Como é omnipresente, é muito difícil dar por ela! Por estar em toda a parte é muito difícil condená-la. Às vezes é apanhada na rede de algum pescador desprevenido. Como é peixe graúdo dá cabo da rede e não se aproveita nada. O rasto é fácil de seguir. Oscila entre a política e o comentário na televisão. Como o futebol é a coisa mais importante deste país, ganha eleições à conta disso. A partir daí tem caminho aberto e pode fixar-se onde quiser. Normalmente escolhe uma autarquia, ou então, deriva directamente para os negócios. Enriquece. A lei, em que normalmente participa, não lhe toca. E se lhe toca, nada a impede de continuar a receber honras e medalhas. As coisas parecem estar a mudar um bocadinho mas até há pouco tempo o futebol era um dos terrenos mais seguros para a prática da modalidade. Tem é que ganhar campeonatos e manter-se no activo. A não ser assim torna-se vulnerável. Não me perguntem porquê.


Saudações monárquicas
 

Fonte: Interregno

1 comentário:

Mario Montemor Da Silva disse...

Não se consegue ler bem o artigo devido às cores do grafismo.